Soro caseiro: para que serve e como fazer

A desidratação é um problema sério muitas vezes negligenciado pela maioria das pessoas. Ela possui diversas causas e pode ter consequências devastadoras para o organismo. É muito importante ficar sempre atento aos sinais da desidratação e tomar medidas rápidas para reverter o quadro.

O soro caseiro é um excelente método para tratamento desses quadros, pois é um líquido completo, repõe água e eletrólitos. Ele é fácil de fazer e utiliza ingredientes que estamos acostumados a ter em casa. 

Neste texto, vamos falar um pouco mais sobre o soro caseiro, para que ele serve e quando deve ser utilizado. Quer saber mais sobre o assunto? Então acompanhe!

VEJA TAMBÉM NOSSOS EBOOKS:
Check-list: o que fazer antes de começar uma atividade física?
Guia completo para emagrecer com saúde
Guia das vitaminas e minerais
Guia prático sobre vacinação
Guia prático para ter uma gravidez tranquila e saudável 

O que é o soro caseiro?

O soro caseiro, também conhecido popularmente como soro de reidratação oral, é composto de sal, água e açúcar. Uma solução amplamente utilizada para tratamento inicial da desidratação, normalmente causada por infecções que geram vômito e diarreia expressivos. 

O que a maioria das pessoas não sabe é que, quando estamos desidratados, não nos privamos apenas de água, mas também de eletrólitos, que serão perdidos em conjunto. E por isso, a ingestão de água pura não é suficiente para reverter o quadro. É necessário ter uma solução que contemple as duas deficiências. 

É preciso destacar que as UBS (Unidades Básicas de Saúde, também conhecidas como Postos de Saúde) fornecem, gratuitamente, a colher medida. Assim, é possível fazer o soro caseiro com uma segurança maior, evitando erros comuns na quantidade dos ingredientes. 

Quando utilizar o soro caseiro?

O soro caseiro ajuda a repor água e sais que são perdidos em situações de diarreia, já que essas situações têm alto potencial para promover quadros de desidratação intensa.  

Muito utilizado em crianças, ele também poder ser ministrado para adultos de todas as idades. No entanto, existe restrição em sua administração para bebês menores de seis meses, já que eles ainda utilizam a amamentação como fonte exclusiva de nutrição. Nesses casos, a indicação é que a mãe continue fornecendo somente o peito, mantendo o bebê hidratado. 

Outros pacientes que também devem ficar de olho na utilização do soro caseiro são os portadores de hipertensão e diabetes. Como o soro contém açúcar e sal, pode afetar o mecanismo dessas duas doenças e provocar malefícios. Eles devem utilizar apenas com orientação médica e somente até o processo de desidratação acabar. 

Os pacientes diabéticos precisam ficar especialmente mais atentos aos episódios de diarreia, pois — muitas vezes durante o quadro infeccioso — é comum apresentar episódios de hipoglicemia. Quando o diabetes tipo 1 ocorre em crianças, o acompanhamento deve ser feito pelo médico pediatra, preferencialmente em ambiente hospitalar. 

Quais são os sinais da desidratação?

Alguns sintomas clássicos podem indicar que a pessoa possui um quadro de desidratação. No caso de crianças pequenas, a moleira funda costuma denunciar um quadro grave. Além do choro sem lágrimas e de olhos e boca seca, o pequeno urina pouco ou não urina. 

Já em adultos, boca e olhos secos, dor de cabeça e náuseas podem ser sinais de que há um estado de desidratação. Portanto, é importante sempre procurar um médico para garantir uma melhor avaliação dos sintomas. 

Qual é a validade do soro caseiro?

É importante atentar para a validade do soro caseiro, a fim de obter o resultado desejado. Alguns especialistas dizem que a solução pode ser armazenada por, no máximo, 24 horas. 

O armazenamento deve ser realizado em uma vasilha fechada e precisa permanecer em baixas temperaturas. Passadas as 24 horas, o soro caseiro deve ser descartado. 

Existe diferença para o soro pronto?

Sim, existe uma grande diferença entre o soro caseiro e o soro pronto. O soro pronto foi produzido para ser diluído em certa quantidade de água, evitando que ocorram erros na proporção de sal e açúcar. Assim, o enfermo não correrá o risco de agravar o quadro de desidratação. 

Pesquisadores sobre o assunto revelaram que muitas pessoas não possuem informações suficientes sobre a quantidade desses ingredientes no soro caseiro. Portanto, não foi difícil encontrar situações em que havia mais sal e açúcar do que o recomendado, principalmente quando o soro é realizado para a desidratação em crianças. 

O soro pronto é encontrado facilmente em diversos locais. Em farmácias da Rede Popular e em Postos de Saúde, por exemplo, o sua forma em pó pode ser retirada gratuitamente. Em outras palavras, vale mais a pena se deslocar até o posto de saúde mais próximo do que depender do tamanho de sua colher ou do seu olho, não é mesmo?

Como preparar o soro pronto e o soro caseiro?

O soro pronto tem um modo de preparo simples e fácil. Como já destacado, não é preciso adicionar nenhum ingrediente. Para prepará-lo, basta misturar todo o conteúdo do envelope em um litro de água fervida ou filtrada. 

Após realizar a mistura completa do soro, o enfermo deve ingeri-lo para começar o processo de reidratação. É extremamente importante lembrar de que não se deve adicionar açúcar nem sal e, muito menos, ferver o conteúdo depois de pronto. 

Analogamente ao soro caseiro, o soro pronto também não deve ser consumido depois de 24 horas de seu preparo. Após esse período, é preciso descartá-lo e preparar outro soro, com um novo envelope. Ambos devem ser oferecidos aos poucos e em pequenas quantidades. 

Agora, se precisar preparar seu próprio soro caseiro do zero, utilize um copo cheio de água limpa, uma medida rasa da menor colher de sal e duas medidas rasas da maior colher, de açúcar.

Podemos afirmar que o soro caseiro é uma excelente opção — quando não se pode utilizar o soro pronto —, porém é preciso prestar bastante atenção nas quantidades de sal e açúcar. Para minimizar o erro, procure utilizar a colher medida, disponível nas UBS.

Vale ressaltar que o soro caseiro é uma medida inicial de controle de hidratação, mas muitas vezes pode não ser suficiente para manter o doente hidratado, assim como também não é capaz de tratar a causa da desidratação. Se os sintomas permanecerem ou agravarem, busque atendimento médico

E aí, gostou do nosso artigo? O que achou de nossas dicas? Quer se manter informado sobre esse e outros assuntos? Então siga-nos no Facebook, no Instagram e no Twitter para não perder nenhuma de nossas atualizações!

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *