Saiba tudo sobre a catapora

A catapora, conhecida também como varicela, é uma doença infecciosa altamente contagiosa causada pelo vírus Varicela-zoster (WZ), que é da família do vírus do herpes. Assim como a rubéola, sarampo e caxumba, a catapora também é uma doença infecciosa da infância, que — na maioria dos casos — afeta crianças entre 5 e 10 anos.

No entanto, o ser humano é o único reservatório natural desse vírus, ou seja, a doença somente é transmitida de pessoa para pessoa e a infecção ocorre através da mucosa do trato respiratório.

Por isso, é importante saber identificar os sintomas para evitar a transmissão e iniciar o tratamento o mais breve possível. Quer ficar por dentro do assunto? Então continue lendo e saiba tudo sobre a catapora!

VEJA TAMBÉM NOSSOS EBOOKS GRATUITOS:
Check-list: o que fazer antes de começar uma atividade física?
Guia completo para emagrecer com saúde
Guia das vitaminas e minerais
Guia prático sobre vacinação
Guia prático para ter uma gravidez tranquila e saudável 

Quais são os sintomas da catapora?

Após o período de incubação do vírus, 2 a 3 semanas, a doença se manifesta com erupções cutâneas, febre baixa e sintomas suaves como mal-estar, dor de cabeça, coceiras e dores na barriga, e o vírus instala-se nos gânglios nervosos próximos à coluna vertebral.

Por 3 ou 4 dias, pequenas pápulas avermelhadas com coceira aparecem na cabeça, tronco e membros. As lesões na pele evoluem para vesículas, depois em pústulas e — finalmente — em crostas, sendo possível aparecer de 250 a 500 erupções. Quando essas erupções estiverem com líquido, outras pessoas podem ser contaminadas. Dessa forma, o indivíduo deve se isolar dos demais, a fim de evitar o contágio.

Normalmente, a catapora é uma doença benigna e sua d uração é de 7 a 10 dias, podendo ser mais agressiva em adolescentes e adultos. A complicação mais comum na idade adulta é a pneumonia, podendo se tornar mais grave em pessoas com HIV e pacientes da quimioterapia, mas em crianças e adolescentes saudáveis as complicações são raras.

O período infeccioso pode-se alongar em pacientes com competência imunológica alterada, geralmente a partir do quinto dia após os sinais das primeiras pápulas na pele.

Contudo, a infecção produz imunidade por toda a vida e raramente uma pessoa desenvolve esta doença duas vezes. Isso porque o vírus não é eliminado do organismo, ele permanece latente nos gânglios das raízes dos nervos espinhais. Em alguns casos raros, esse vírus pode despertar-se após anos ou décadas, geralmente após os 50 anos de idade levando a herpes-zoster.

Porém, vale ressaltar que as mulheres grávidas podem contrair o vírus nos três primeiros meses de gestação e pode transmitir ao feto, causando uma embriopatia (desenvolvimento anormal do feto).

Como a catapora é transmitida?

A catapora é uma das doenças infecciosas mais contagiosas, principalmente na fase inicial da erupção. A transmissão ocorre de pessoa para pessoa por:

  • gotículas transparentes no ambiente (pelo ar), sendo transmitida pela tosse, espirro ou saliva;
  • através do contato direto com a lesão;
  • pela conjuntiva dos olhos;
  • durante a gravidez, o vírus pode ser transmitido para o embrião ou feto por meio da placenta, causando complicações tanto para a mãe quanto para o bebê.

Sendo que o período de contágio começa em 1 ou 2 dias antes do início da erupção e pode durar até o aparecimento das escaras.

Quais são as complicações mais severas da catapora?

As complicações mais severas da catapora incluem superinfecção bacteriana, trombocitopenia, artrite, pneumonia, hepatite, meningoencefalite. Além disso, manifestações e complicações da catapora exantemáticas estendidas são muito mais frequentes entre os jovens, adultos e pessoas imunocomprometidas de todas as idades, em comparação com o que é observado em crianças.

Como já citado anteriormente, a catapora durante a gravidez é um grande problema tanto para a mãe como para o feto, e pode trazer complicações — com risco de morte — nos seguintes casos:

  • catapora grave da mãe: contraiu a infecção no terceiro trimestre da gravidez;
  • catapora neonatal grave: pode ser letal se a mãe desenvolve a doença durante o período de 5 dias antes e 2 dias após o parto;
  • síndrome da catapora congênita: ocorre em crianças cuja mãe contraiu a doença entre a 8ª e 20ª semana de gestação.

Como é feito tratamento da catapora?

Geralmente o tratamento é apenas sintomático, mas para aliviar os sintomas você pode:

  • usar paracetamol ou dipirona no caso de febre;
  • loção de calamina e géis para aliviar a coceira;
  • banhos de permanganato de potássio.

Porém, cabe salientar que as crianças com catapora não devem ser tratadas com aspirina, pois esse medicamento pode trazer complicações para o indivíduo. Em casos mais complicados, como em adultos com doenças respiratórias crônicas, pode-se fazer uso de medicamentos antivirais.

Em geral, deve-se isolar o paciente para evitar a propagação da infecção, sendo aconselhável não levar as crianças às escolas por, pelo menos, 5 dias após o início das primeiras pápulas.

Como prevenir a catapora?

É difícil prevenir a catapora, já que é uma doença contagiosa transmitida pelo ar e pelo contato físico, mas existe a vacina contra a doença. Essa vacina é bem tolerada e a proteção é de longa duração. A aplicação é feita em uma única dose para bebês de 12 meses a 1 ano, e em 2 doses para crianças com mais de 1 ano ou em adultos.

No entanto, a vacina só não é recomendada para crianças se elas tiverem menos de um ano de idade, por causa da baixa eficácia devido à interferência dos anticorpos maternos transferidos pela placenta.

Já os adultos que ainda não contraíram a doença também podem tomar a vacina. Essa alternativa é muito recomendada para pessoas que, por motivos profissionais, estão em maior risco de contrair a infecção (como funcionários de escolas), ou transmiti-la para pessoas com alto risco de complicações graves (como trabalhadores da área da saúde).

Além disso, a vacina é adequada às mulheres em idade fértil, que ainda não tiveram a doença, a fim de evitar uma possível infecção durante a gravidez e danos à criança.

Os países que adotaram a vacina contra a catapora tiveram uma queda significativa no número de casos da doença e de óbitos. Essa vacina não precisa de reforço, mas uma semelhante, tomada posteriormente (após os 50 anos de idade) reduz a incidência de herpes-zoster (infecção viral que provoca pápulas na pele e, geralmente, dor intensa).

Agora lembre-se: se você ainda não teve, evite ao máximo contato com pessoas que estejam com doença e, ao sentir os primeiros sintomas, procure um médico. Esse profissional fará o diagnóstico correto, podendo — até mesmo — pedir um exame de sangue para confirmar a infecção.

E você, gostou de descobrir tudo sobre a catapora? Tem alguma dúvida ou experiência sobre o assunto? Então deixe o seu comentário e compartilhe conosco a sua opinião!

 

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *