O que é gastrite nervosa e como tratá-la

Ter uma rotina corrida e estressante, com muitas responsabilidades e preocupações, aliado a uma alimentação inadequada, são alguns fatores que podem contribuir para o surgimento da gastrite nervosa. Essa doença de causa emocional acomete tanto homens como mulheres, independentemente da idade.

O maior problema da gastrite nervosa é que ela agride o estômago e pode gerar complicações mais severas, como úlceras. Por isso, é preciso adotar medidas para evitar que se manifeste.

Algumas mudanças simples no dia a dia podem amenizar os sintomas e até resolver esse problema. Por isso, no artigo de hoje, vamos mostrar tudo o que você precisa saber sobre a gastrite nervosa. Confira!

O que é gastrite nervosa?

A gastrite nervosa – ou dispepsia nervosa – é o nome dado ao estado em que a pessoa apresenta sintomas de gastrite causados por fatores emocionais significativos. Assim, em situações de estresse, o sistema nervoso é acionado e provoca um aumento na produção de ácido clorídrico no estômago.

Consequentemente, o suco gástrico fica mais ácido e prejudica as paredes estomacais. Isso ocasiona a sua redução e afeta a mucosa natural do estômago. Esses fatores podem levar a uma irritação ou a uma lesão superficial nessa região.

Nesse caso, é necessário conhecer as principais causas psicológicas e emocionais da gastrite nervosa, e evitar as situações do dia a dia que são causadoras de estresse e outros problemas que levam ao distúrbio.

Quais são as principais causas?

Situações de estresse emocional, ansiedade e nervosismo, como uma rotina corrida, reuniões importantes de trabalho e maus hábitos alimentares, são algumas situações que contribuem para o desenvolvimento da gastrite nervosa.

Outro fator que também pode desencadear crises estomacais é o uso de medicamentos, como anti-inflamatórios. Eles fragilizam a proteção gástrica, criando uma situação propícia para o surgimento do problema.

Por isso, é importante ficar atento para os primeiros sinais que indicam a gastrite nervosa, a fim de identificá-la logo no começo e prevenir o seu agravamento. Veja a seguir como reconhecer seus principais sintomas.

Quais são os sintomas da gastrite nervosa?

Entre os sintomas mais comuns da gastrite nervosa, podemos citar:

  • dor no estômago ou na área abdominal;
  • azia, enjoo e/ou vômito;
  • má digestão e sensação de estar estufado;
  • perda do apetite e sensação de saciedade;
  • náuseas;
  • arrotos frequentes.

Esses sintomas podem aparecer a qualquer momento do dia, mas tornam-se mais intensos em situações de maior tensão emocional. No entanto, apesar de não se caracterizar como uma alteração inflamatória gástrica, a gastrite nervosa apresenta sintomas parecidos com a gastrite clássica.

Nesses casos, diante de qualquer um desses incômodos, é importante procurar por um médico para que ele possa diagnosticar o problema e indicar o tratamento mais adequado.

Como diagnosticar?

O diagnóstico da gastrite nervosa é obtido por meio de uma consulta com um gastroenterologista. Ele coletará informações sobre os sintomas a partir do relato do paciente e solicitará exames, como a endoscopia digestiva, que identifica o tipo de gastrite.

Dessa forma, não existindo quadro infeccioso ou inflamatório e, se os sintomas ainda persistirem, o médico determina o diagnóstico de gastrite nervosa.

Assim, ele indicará o tratamento mais adequado para melhorar os sintomas e evitar episódios de repetição. No entanto, não são apenas os cuidados médicos que vão minimizar o problema da gastrite nervosa.

Veja, a seguir, como o enfermo tem uma parcela significa de responsabilidade para conseguir tratar esse problema e voltar a ter qualidade de vida.

Como tratar a gastrite nervosa?

Para tratar a gastrite nervosa e melhorar os seus sintomas, é necessário seguir as recomendações médicas e também adotar algumas mudanças nos hábitos e na rotina. Algumas delas são:

Controle dos fatores emocionais

É fundamental identificar o que desencadeia os fatores emocionais de risco, utilizando estratégias para diminuir o nervosismo e a ansiedade. O controle emocional é considerado a parte mais importante do tratamento.

Assim, algumas mudanças são necessárias para ajudar a aliviar a tensão emocional e proporcionar o bem-estar, como:

  • praticar atividades físicas ou de lazer;
  • ter bons relacionamentos sociais;
  • realizar aulas de ioga e pilates;
  • ter hábitos de sono apropriados;
  • tomar sol em períodos adequados;
  • e, se necessário, ter o acompanhamento de um psicoterapeuta.

Além disso, alguns medicamentos podem ser utilizados para amenizar os fatores emocionais.          

Uso de medicamentos

Alguns medicamentos, como os antiácidos e os calmantes, são utilizados no tratamento da gastrite nervosa para aliviar os sintomas e proteger a mucosa gástrica. Também auxiliam na diminuição das causas da crise que gera a gastrite.

No entanto, esses medicamentos só devem ser utilizados com prescrição médica, pois podem provocar dependência e causar inflamações estomacais. Além disso, a automedicação é contraindicada em todas as situações, porque há o risco de minimizar e ocultar outros problemas de saúde.

Por isso, o ideal é optar por tratar as questões emocionais com calmantes naturais, como chá de camomila, valeriana e flor-de-maracujá (passiflora). Essas plantas medicinais têm propriedades que ajudam a acalmar e diminuir os sintomas da gastrite.

Algumas mudanças nos hábitos alimentares também podem ser necessárias para a doença não se agravar.

Reeducação alimentar

É preciso adotar uma alimentação saudável , que contenha alimentos leves e de fácil digestão. Eles ajudam a reduzir a produção de ácidos no estômago, aliviando sintomas como queimação, refluxo e azia.

Deve-se dar preferência a legumes, peixes, vegetais, carnes brancas, frutas e sucos naturais.

Evite comidas gordurosas que irritam as paredes da mucosa do estômago, como fritura, chocolate, bacon, embutido, salsicha, biscoito recheado, linguiça, carne vermelha, condimentos e alimentos cítricos. Fuja também de líquidos como café, leite integral, refrigerante e bebidas alcoólicas.

Além disso, não fique em jejum, porque permanecer muito tempo sem se alimentar pode piorar o sintomas da gastrite. À noite, é interessante fazer uma refeição leve para que o estômago não tenha grande dificuldade para digerir os alimentos.

Vale ressaltar que, para minimizar os sintomas e obter a cura, é preciso fazer algumas mudanças no estilo de vida, como evitar o sedentarismo e ambientes estressantes. Afinal, esses fatores estão diretamente ligados ao surgimento da gastrite nervosa. Também evite o excesso de trabalho, pois ele pode agravar os sintomas.

Agora que você já a gastrite nervosa e sabe como tratá-la, continue informado: assine nossa newsletter e fique por dentro das principais novidades!

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *