Infecção Urinária: conheça os sintomas e saiba como tratar a doença

Se você sente ardor ao urinar, vai ao banheiro com frequência além do normal e ainda assim tem a sensação de bexiga cheia o tempo todo, pode estar com infecção urinária.

Isso porque esses são alguns sinais típicos dessa doença que acomete tanto os homens como as mulheres de todas as idades. Porém, devido a anatomia da uretra feminina ser menor, a infecção tende a ser mais comum, já que esse detalhe faz com que as bactérias tenham mais facilidade de chegar aos órgãos do sistema urinário causando diversas infecções.

No entanto, apesar do tormento que a infecção urinária possa ocasionar, na maioria dos casos trata-se de uma patologia fácil de curar.

Quer saber mais sobre o assunto, como descobrir e tratar esse problema que atinge o sistema urinário? Então, continue lendo este post e descubra!

VEJA TAMBÉM NOSSOS EBOOKS GRATUITOS:
Check-list: o que fazer antes de começar uma atividade física?
Guia completo para emagrecer com saúde
Guia das vitaminas e minerais
Guia prático sobre vacinação
Guia prático para ter uma gravidez tranquila e saudável 

Infecção Urinária

A infecção do trato urinário é uma doença causada por microrganismo que se instalam e afetam qualquer parte do sistema urinário. Desse modo, o problema pode se apresentar nas vias superiores (rins e ureteres) e/ou nas vias inferiores (uretra e bexiga).

Quando se manifesta na bexiga, recebe o nome de cistite. Se a infecção é nos rins, seu nome é pielonefrite. E, por fim, a uretrite, que é o processo infeccioso na uretra.

Na maioria dos casos a bactéria responsável pelo problema é a Escherichia coli que compõem naturalmente a flora intestinal dos seres humanos.

Causas mais comuns

As causas podem variar de acordo com o local onde o processo infeccioso se manifesta. Mas existem alguns fatores considerados de risco que favorecem o aparecimento dessas infecções. Confira os mais comuns:

1. Falta de higiene

A falta de higiene adequada na região genital favorece o aparecimento de bactérias que causam infecções. Porém, a higienização excessiva pode ser prejudicial, principalmente para o público feminino. Isso porque além desse hábito alterar a flora vaginal e afastar as bactérias boas que são responsáveis pela proteção do local, essa condição pode criar um ambiente favorável para as bactérias patológicas.

A recomendação do urologista Wladimir Alfer Júnior, do Hospital Israelita Albert Einstein, é evitar itens como duchas íntimas, sprays e outros produtos com aromas, pois eles podem desequilibrar a flora vaginal deixando a região mais suscetível.

2. Cálculo renal

Apesar de não se tratar de uma regra, a ligação entre infecção do trato urinário e pedra nos rins existe. Pois em alguns casos, as pedras formadas nos rins possuem uma bactéria que atinge a acidez da urina, facilitando, assim, o depósito de sais.

Segundo o chefe do setor de urologia feminina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Fernando Almeida, esse quadro pode causar dois tipos de infecção: a cistite e a pielonefrite, um tipo mais grave da doença.

3. Camisinha

Os espermicidas presentes nos preservativos podem modificar a flora vaginal deixando as mulheres mais vulneráveis à ação das bactérias que causam infecções.

O ideal, nessa situação, é usar camisinhas que não tenham espermicidas ou aquelas que possuem essa substância apenas na sua parte interna, evitando assim o contato com a vagina.

4. Constipação

A anatomia feminina facilita que as bactérias do trato gastrointestinal migrem para a uretra, causando contaminação. Sendo assim, o desconforto abdominal não é o único problema que a prisão de ventre causa.

Inclusive, a maioria dos casos de cistite é causada pela bactéria Escherichia coli, que vive no intestino e lá não causa problemas. Porém, na vagina, o microrganismo pode ser motivo de infecção, uma vez que compete com as bactérias que vivem naturalmente ali.

5. Diabetes

Pessoas com diabetes são comumente prejudicados por infecções bacterianas no trato urinário.

Isso porque além da doença ocasionar danos no sistema geniturinário alterando a sensibilidade vesical, a deficiência da função imunológica também se transforma em fator de risco para a doença, já que o sistema imunológico é o responsável pela defesa do corpo contra a entrada das bactérias que causam infecções.

Principais sintomas

Apesar de nem sempre manifestarem sintomas perceptíveis, pessoas com infecções no trato urinário podem apresentar:

  • dor e ardência ao urinar;
  • dificuldade na micção;
  • aumento na frequência de micções;
  • urina escura;
  • urina acompanhada de sangue — hematúria;
  • dor pélvica em mulheres;
  • urina com coloração alterada e forte odor;
  • incontinência urinária;
  • febre;
  • corrimento

Ao identificar um ou mais desses sintomas, procure um especialista para obter um diagnóstico preciso e iniciar um tratamento se for necessário.

Tratamento e diagnóstico

Na maioria dos casos o médico clínico geral pode resolver o problema. Contudo, o nefrologista é o profissional responsável por diagnosticar a infecção urinária.

No entanto, em ambos casos, após o relato do paciente o médico poderá solicitar alguns exames. Os principais são:

  • exame de urina – para analisar a quantidade e o tipo de bactéria;
  • cultura de urina (urocultura) – usado como complemento do exame de urina para facilitar a detecção e identificação das bactérias envolvidas;
  • exames de imagem – para analisar possíveis anormalidades no trato urinário;
  • cistocopia – que analisa a possibilidade de focos de infecção no interior da bexiga e da uretra.

No entanto, o tratamento vai depender do local e da gravidade, em geral, os sintomas da infecção costumam desaparecer poucos dias após o inicio do tratamento. Para isso, costuma-se adotar um tratamento baseado em antibióticos e analgésicos, nos quais essas substâncias vão ajudar a aliviar os sintomas como ardência e dor ao urinar, além de combater os microrganismos causadores da infecção.

Porém, é fundamental seguir as orientações corretamente durante todo o tratamento, para que a infecção não avance ou se torne corriqueira. Além disso, vale ressaltar que tanto nesse, como em outros casos patológicos, nunca deve usar medicamentos por conta própria ou interromper o tratamento sem conhecimento do médico, pois essa condição pode causar reações adversas.

Se não for tratada, a infecção urinária pode causar complicações graves, como:

  • danos aos rins de forma permanente;
  • risco de sepse, ou seja, infecção no sangue;
  • infecções recorrentes, principalmente em mulheres;
  • em grávidas, há risco de dar à luz antes do tempo.

Para evitar o surgimento da doença o melhor caminho ainda é a prevenção. Cuide da higiene íntima — mas sem excessos —, e evite ficar muito tempo com absorvente íntimo, usar indiscriminadamente antibióticos, ter contato frequente com espermicidas, usar calças muito apertadas, produtos com perfumes na área genital e segurar a urina por muito tempo.

Além disso, também é importante beber bastante líquido, especialmente água, para ajudar a eliminar as toxinas e diluir a urina.

Dessa forma, apesar da infecção ser bastante incômoda, o tratamento geralmente é bem-sucedido. No entanto, vale a pena estar sempre atento quanto aos sintomas típicos da doença, buscando imediatamente ajuda de um especialista e se precaver para evitá-la.

E você gostou do nosso post sobre infecção urinária? Então deixe seu comentário e divida conosco a sua opinião!

 

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *