Por que há vários tipos de formatos de remédios?

Você sabia que os medicamentos podem vir em diferentes formatos de remédios?

Sim, temos disponíveis para compras em farmácias os comprimidos, as drágeas, as cápsulas, xaropes, pomadas, entre outros.

Mas você conhece as diferenças e funções de cada um desses tipos? Sabe por que existem tantas formas farmacêuticas distintas?

Então continue sua leitura para saber mais sobre cada um deles e entender como um remédio pode ser administrado no seu organismo!

O que são formas farmacêuticas?

Podemos entender como as variadas formas físicas que os remédios se apresentam para possibilitar a sua administração pelo paciente.

Podem ser de administração oral (como as pílulas, comprimidos, xaropes e soluções em pó), retais (como os supositórios), tópicos (como pomadas), ou de outras formas (como aerossóis ou colírios).

Por que existem diferentes formas farmacêuticas?

Os vários tipos de formatos de remédios existem com o intuito de facilitar a administração no organismo, garantindo a precisão da dose do medicamento.

Essa via de administração deve proteger a substância durante o percurso pelo organismo, evitando que ele seja metabolizado ou eliminado antes mesmo de chegar ao alvo de sua ação.

Em geral, as formas farmacêuticas são úteis para fornecer os medicamentos para pacientes de faixas etárias diversas ou em condições especiais.

Por exemplo: as formas líquidas orais (xaropes ou soluções) ou sublinguais e comprimidos mastigáveis para pessoas com dificuldade de ingerir sólidos, especialmente crianças, idosos e pacientes com déficit neurológico.

As formas farmacêuticas visam potencializar a ação do fármaco e concentrar a ação em determinado local do corpo ou evitar o contato com outras partes, como no caso de medicamentos transdérmicos, endovenosos ou de supositórios.

Ainda existe uma importância na proteção do medicamento pelos fatores físico-químicos, que podem fazer com que ele se torne instável ou inativo na presença de luz, temperatura ou umidade em excesso.

É importante conhecer a via de administração de cada tipo de remédio para que o princípio ativo contido nele exerça sua ação de forma e proporção corretas.

Em caso de utilizar medicamentos por vias não usuais (aquelas que não são feitas para aquele remédio específico), ele poderá não exercer seu efeito ou até mesmo causar danos colaterais, sejam eles locais ou sistêmicos.

Quais são os principais tipos de remédio?

Comprimidos

Trata-se de uma forma farmacêutica sólida que contém um ou mais princípios ativos, com ou sem excipientes, obtida por meio do processo de compressão.

Pode ser de uma ampla variedade de formatos e tamanhos, apresentar marcações na superfície e ser revestido ou não.

Excipientes são as substâncias que existem nos medicamentos e que completam a massa ou volume especificado na embalagem.

Um excipiente é uma substância farmacologicamente inativa usada como “veículo” para o princípio ativo, ajudando na sua preparação ou estabilidade.

Cápsulas

Também é uma forma farmacêutica sólida, como o comprimido, na qual o princípio ativo e o excipiente estão contidos em um invólucro solúvel, duro ou mole, de formatos e tamanhos variados.

Normalmente, esse invólucro é formado de gelatina, mas também pode ser de amido ou outras substâncias fáceis de serem dissolvidas.

Drágeas

É uma forma farmacêutica sólida cujo núcleo é um comprimido que passou por um processo de revestimento com açúcar e corante denominado “drageamento”.

Nesse caso, é importante ressaltar para os pacientes diabéticos que, no processo de drageamento, a quantidade de açúcar utilizada geralmente é insignificante e não interfere no controle da glicose, mas, na dúvida, é importante conversar com o médico antes de fazer uso desse medicamento.

Supositórios

São formas farmacêuticas sólidas destinadas à inserção em orifícios corporais, por exemplo, no ânus, na vagina ou na uretra, onde amolecem, se dissolvem e exercem seus efeitos localmente ou mesmo de forma sistêmica.

Xaropes

São formulações farmacêuticas líquidas que contêm grande quantidade de açúcares, fazendo com que o líquido fique viscoso.

Nesse tipo de remédio, é colocada então a substância medicamentosa que vai trazer o efeito benéfico esperado. Devem ser observadas as contraindicações do uso de xaropes devido aos açúcares presentes.

Aerossóis

É a suspensão de partículas bem pequenas, sólidas ou líquidas, em um gás. Por exemplo, os aerossóis para o tratamento da asma são inalados pela boca e graças à alta velocidade e ao pequeno tamanho do pó conseguem atingir as vias aéreas dos pulmões.

Pomadas

São preparações farmacêuticas semissólidas, de consistência mole, destinadas ao uso externo (pele). Elas são constituídas por um ou mais princípios ativos e por excipientes para que o medicamento tenha mais volume e se espalhe pela superfície corporal aplicada.

Colírios

São medicamentos aplicados nos olhos e nas pálpebras, ou seja, de uso tópico. É composto principalmente de água para umedecer o globo ocular, sendo adicionado algum tipo de fármaco com um propósito específico, como medicamentos para dilatar a pupila ou antibióticos para tratar uma conjuntivite bacteriana, por exemplo.

Quais as orientações gerais sobre as formas farmacêuticas?

Devido ao grande número de formas de remédios disponíveis no mercado atualmente, algumas orientações gerais são válidas a todos.

Não é ideal partir comprimidos ou outros remédios sólidos. Ao parti-los, eles se despedaçam, se espalham, e a dose ingerida perde sua precisão, podendo ser acima ou abaixo daquela prescrita.

Além disso, caso não seja partido em uma superfície limpa, ainda aumenta-se o risco de contaminação com outros materiais e pós, bem como bactérias e fungos.

Outro problema é que muitas pessoas não guardam a outra metade com o cuidado necessário.

Se guardados em uma caixa contendo vários medicamentos diferentes, há o risco de confundi-los e tomar um comprimido trocado, tomando o dobro da dose de um e não tomando o outro, por exemplo.

Essa recomendação também é válida para as drágeas, bem como o que se refere a abrir as cápsulas. Jamais se deve remover as partes da cápsula e ingerir apenas seu conteúdo. O veículo externo é importante para a administração e ação do medicamento.

Esperamos que tenham compreendido o motivo pelo qual existem tantos formatos de remédios e por que é importante usá-los da maneira correta, respeitando as formas de administração do medicamento e armazenando o remédio longe de luz, umidade e calor em excesso, já que podem atrapalhar a ação do princípio ativo contido nele.

Gostou deste conteúdo? Quer acompanhar todas as postagens em nossa página? Então assine nossa newsletter e não perca nenhum post!

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *