Entenda o que é a síndrome metabólica e como ela afeta a sua saúde

Manter hábitos saudáveis é essencial para envelhecer feliz e com saúde. E, fazendo isso, é possível prevenir o surgimento de diversas doenças. Uma delas é a síndrome metabólica, uma série de fatores de risco que causam doenças cardiovasculares e diabetes. 

Ainda que tenha um conceito pouco difundido na população, a síndrome metabólica vem tendo uma incidência cada vez maior, acompanhando a grande epidemia de obesidade que vivemos. Ela pode causar consequências graves e, portanto, é muito importante que você saiba o que é e como tratá-la. 

Neste texto, vamos explicar o que é a síndrome metabólica, por que ela acontece, quais são suas consequências, como é feito seu diagnóstico e seu tratamento. Quer saber mais sobre o assunto? Então, acompanhe! 

O que é a síndrome metabólica?

A síndrome metabólica é um conjunto de fatores de risco que levam a uma maior propensão ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares e do diabetes. É uma patologia que acomete as pessoas obesas e, além de ampliar os riscos, aumenta a mortalidade por diversas doenças. 

Todos esses fatores de risco são de origem metabólica e, têm como base, a resistência insulínica, processo que força o pâncreas a produzir sempre maiores quantidades desse hormônio. Além disso, existe um aumento do processo aterosclerótico, caracterizado por um acúmulo de gorduras que entope os vasos sanguíneos. 

Sua prevalência é grande, cerca de 25% das pessoas sofrem do quadro. E, esse número, vem crescendo cada vez mais na sociedade moderna, já que acompanha o aumento do consumo de alimentos industrializados e a diminuição da prática de atividade física, ou seja, o aumento do número de obesos. 

Nem toda pessoa que desenvolve a síndrome metabólica é obesa — ela também pode ser desenvolvida por indivíduos com sobrepeso, ou seja, que estão somente com mais peso do que o considerado normal. 

Como e por que ocorre a síndrome metabólica?

Todo paciente com síndrome metabólica inicia o quadro com resistência periférica à insulina. Mas o que isso significa? A ideia é simples: as células do corpo necessitam de glicose para gerar energia e sobreviver, e a insulina é um hormônio que internaliza essa glicose. No entanto, elas vão gerando resistência a esse hormônio e provocando várias alterações em seu metabolismo. 

Vários elementos contribuem para o surgimento dessa doença. Os mecanismos envolvem predisposição genética a fatores ambientais e metabólicos, como os hormônios e as proteínas que são produzidos pelo nosso corpo. Um poderoso fator é o acúmulo de tecido adiposo abdominal. Esse tipo de tecido produz diversas substâncias inflamatórias que estimulam a resistência à insulina. 

O acúmulo de tecido adiposo também corrobora para a deterioração do tecido dos vasos sanguíneos. Além de mantê-los em estado de constante inflamação, o excesso de gordura se acumula nos vasos, provocando placas que obstruem o fluxo sanguíneo e promovem doenças, como a angina e o infarto. 

Como é feito o diagnóstico?

De acordo com o consenso brasileiro de síndrome metabólica, a pessoa deve apresentar pelo menos três dos cinco critérios estabelecidos abaixo:

  1. obesidade central: a circunferência da cintura maior que 102 cm nos homens e maior que 88 cm em mulheres;
  2. pressão arterial elevada: ocorre quando a pressão sistólica está acima 130 e/ou a pressão diastólica está acima de 85 mmHg;
  3. hiperglicemia: outra patologia muito comum, a glicemia está alterada quando se encontra acima de 110 mg/dl ou se a pessoa já tem diagnóstico de diabetes mellitus;
  4. aumento dos triglicerídeos: o valor de triglicerídeos maior que 150 mg/dl também é uma das características da síndrome metabólica, sendo muito prevalente em obesos;
  5. diminuição do HDL: O HDL colesterol, conhecido popularmente como colesterol bom, quando mantém valores menores que 50 mg/dl nas mulheres e 40 mg/dl nos homens também é um critério para a síndrome metabólica.

É importante salientar que o diagnóstico precoce é essencial, já que nesse período ainda é possível evitar o surgimento de uma doença coronariana e do próprio diabetes. 

Existem ações preventivas?

Mesmo com os fatores de predisposição genética, a síndrome metabólica é uma condição prevenível por meio de diversas ações. Ter uma alimentação saudável, reduzir o excesso de peso, realizar atividades físicas (pelo menos três vezes na semana) e outras alterações do estilo de vida, como parar de fumar, reduzir os níveis de estresse e diminuir a ingestão de bebidas alcoólicas são essenciais. 

Aliás, nessa patologia, o melhor tratamento é sempre a prevenção. As mudanças de estilo de vida reduzem as chances de que a pessoa sofra um AVC, um infarto agudo do miocárdio e várias outras doenças graves e potencialmente fatais. 

Como é o tratamento?

Inicialmente, o tratamento nem sempre será medicamentoso. Primeiramente, o paciente vai passar por mudanças nos hábitos de vida, como modificações na alimentação e na prática de exercícios físicos. Assim, é iniciada uma dieta com diminuição dos níveis de sal, gorduras e redução da ingestão calórica, afinal, o objetivo é a perda de peso.

Além disso, é importante estimular a prática constante de exercícios físicos, mas sempre adequando a carga à idade e ao condicionamento físico do paciente. 

O uso de medicações só é iniciado caso o objetivo não seja atingido com essas mudanças comportamentais. Nesses casos, é possível utilizar medicamentos para o controle do diabetes, da hipertensão arterial, do colesterol e para a redução de peso. 

No entanto, o fator primordial para a diminuição dos desdobramentos da síndrome metabólica é a redução da gordura abdominal. Se os objetivos de perda de peso forem alcançados, é possível, inclusive, diminuir as doses de medicamentos e até suspendê-los. 

A síndrome metabólica é uma condição grave que acomete diversas pessoas. É essencial que você procure ter uma rotina saudável, com uma alimentação balanceada e com práticas de exercícios físicos várias vezes por semana. 

Procure profissionais capacitados, que possam auxiliar você no emagrecimento de forma saudável. Afinal, viver bem está intimamente relacionado a ter uma boa saúde. 

E aí gostou do conteúdo? Quer mais informações sobre como ter uma vida saudável e cheia de energia? Então, leia o nosso guia completo para emagrecer com saúde e alcance os seus objetivos sem se expor a riscos desnecessários!

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *