Dor de cabeça na gravidez: como tratar?

A dor de cabeça é um tipo de dor considerada normal por muitas pessoas. Pacientes que sofrem de enxaqueca, por exemplo, dizem-se acostumados ao problema e conseguem se adaptar a isso.

Porém, assim como qualquer outro tipo de dor, esse incômodo também deve ser investigado. É preciso analisar a sua rotina para tentar descobrir o que causa esse desconforto.

Deve-se atentar ainda mais na dor de cabeça na gravidez, pois, além de poder ser um sinal de uma doença mais séria, a automedicação é um risco recorrente. Interessou-se sobre o assunto? Então continue a leitura deste artigo e veja como tratar o problema durante a gestação.

Quais são as causas da dor de cabeça na gravidez?

As causas variam de acordo com os tipos de dores de cabeça e podem estar relacionadas desde aos hábitos de vida e ao estresse até ao aparecimento de doenças específicas da gestação.

Além disso, as dores de cabeça da gravidez podem estar ligadas a outras doenças pré-existentes, como algum problema de visão ou sinusite. Por isso, é sempre importante consultar seu ginecologista no momento da descoberta da gravidez ou — até mesmo — a fim de se preparar para uma futura gestação.

Existem diversas causas, como o cansaço e a alta carga emocional, que levam a níveis excessivos de estresse. Esses sinais podem ser pontos cruciais nas cefaleias e até engatilhar uma crise de enxaqueca. A fome e a falta de líquido também estão associadas às dores de cabeça, portanto, procure sempre se hidratar e comer regularmente durante a gravidez.

De outro modo, também deve ser levantada a possibilidade de estar diante de um sintoma de uma condição de maior risco para a mãe e o bebê, como a pré-eclâmpsia ou as doenças vasculares. É imprescindível levar as queixas ao obstetra e estar com o acompanhamento pré-natal em dia para afastar quadros mais graves.

Quais são os tipos de dores de cabeça da gravidez?

Alguns dos exemplos mais frequentes durante a gravidez são a enxaqueca e a dor de cabeça tensional. Essa última pode ser bem incômoda para a mãe, mas não é maléfica para o bebê.

A enxaqueca, apesar de estar associada a múltiplos fatores hormonais e de estilo de vida, costuma ter as crises diminuídas durante o segundo e terceiro trimestre em comparação ao primeiro. Mulheres que têm crises ligadas diretamente ao ciclo menstrual podem, inclusive, obter grande melhora dos sintomas quando estão grávidas.

Como descobrir se estou com enxaqueca?

As principais características que você deve observar são que a enxaqueca afeta, geralmente, apenas um lado da cabeça, em fincada e é latejante. Já a tensional é bilateral, geralmente em aperto e contínua. Sintomas, como vômito, enjoo e alta sensibilidade a luz e barulhos, estão comumente presentes. A dor da crise dura de horas a dias, podendo incapacitar a pessoa de seguir com suas atividades normais — até que cesse. Apesar disso, exercícios físicos funcionam como prevenção e parte do tratamento.

A dor de cabeça tensional tem sintomas bem diferentes. Ela costuma afetar os dois lados da cabeça, apresentando uma sensação de pressão. Ocorre, normalmente, ao fim do dia e pode ser causada por estresse e postura corporal ruim.

Em outras palavras, cada tipo de dor de cabeça possui características que ajudam a diferenciá-la das demais, de modo que a descrição feita pelo paciente é peça-chave para o diagnóstico médico.

Os medicamentos podem ser utilizados durante a gravidez?

Antes de ingerir qualquer tipo de medicamento, deve-se consultar o obstetra a respeito, uma vez que a droga pode ser prejudicial para você ou para o bebê. Essa prescrição é de fundamental importância, uma vez que vários remédios contra dor de cabeça não são recomendados durante a gravidez.

A aspirina e o ibuprofeno são exemplos de medicamentos que apresentam ameaça ao feto e só são recomendados após a avaliação dos riscos e benefícios. De fato, o paracetamol é a opção receitada de forma mais recorrente pelos médicos, mas — mesmo assim — a paciente só pode ingeri-lo mediante essa indicação profissional

Uma dica é sempre buscar mudanças de hábitos e métodos alternativos para o controle da dor, como a acupuntura, e procurar deixar os medicamentos como último recurso. Vale ressaltar a necessidade do acompanhamento médico nesse processo, a fim de afastar a possibilidade de outras doenças surgirem e supervisar os métodos de manejo da dor.

A dor de cabeça pode significar um problema sério?

É preciso prestar bastante atenção nos sintomas do corpo como um todo, não focando apenas nas dores de cabeça. Afinal, esse incômodo pode ser um sinal de um problema mais preocupante.

Portanto, é recomendado procurar atendimento médico o mais rápido possível — ao manifestar determinados sintomas, como:

  • visão borrada;
  • flashes de luz nos olhos;
  • vômito;
  • inchaço no rosto, nas mãos ou nos pés;
  • dor no alto do abdome, embaixo das costelas.

Não fique esperando a dor passar ou pensando que esse tipo de problema é normal durante a gravidez. Esse sintoma é comum em casos de pré-eclâmpsia (problema que exige monitoramento constante da grávida e do bebê). Portanto, procure um médico imediatamente e garanta a sua saúde e, também, a do seu bebê.

Existem formas de evitar a dor?

Sim. Existem alguns procedimentos que são capazes de aliviar e evitar a dor. É preciso, primeiro, descobrir o motivo que originou esse incômodo.

Preste atenção no que você comeu, nos dias em que praticou exercícios físicos, na qualidade do seu sono e na ingestão de algum medicamento. Caso a dor se repita, você, provavelmente, conseguirá identificar a causa e, assim, saberá como reduzir esse tipo de problema.

Dormir bem também é fundamental para evitar a dor de cabeça na gravidez. Faça o possível para dormir um número mínimo de horas, todas as noites. Meia hora de sono pode fazer a diferença. Não se esqueça disso!

Outra forma de evitar a dor de cabeça na gravidez se dá por meio da realização de fisioterapia e alongamentos. Esse tipo de atividade é de grande valia para sanar problemas relacionados à tensão.

Por fim, procure comer com frequência e em pequenas porções. Assim, seu corpo sempre estará nutrido e a fome não será um dos causadores da dor de cabeça. Não se esqueça de realizar atividades físicas, pois elas são essenciais mesmo durante a gestação.

E aí, gostou do nosso artigo sobre dor de cabeça na gravidez? Quer se manter informado sobre esse assunto? Então nos siga no Facebook, Twitter e Instagram para não perder nossas atualizações.

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *