Doenças nos rins: conheça os principais sintomas e tratamentos

Os rins são órgãos vitais de extrema importância. Eles são responsáveis por filtrarem o sangue, extraindo dele as toxinas e resíduos que o corpo não precisa. Mas assim como o restante do organismo adoece, também podemos desenvolver doenças nos rins.

É essencial cuidarmos bem desses órgãos, já que eles exercem uma função vital para o ser humano. Quando os rins não trabalham como deveriam isso pode comprometer a saúde de uma forma geral e oferecer risco para a vida do indivíduo.

Mas muitas vezes as doenças nos rins podem ser evitadas, porque algumas delas desenvolvem-se em função de maus hábitos que adotamos. E, neste post vamos falar um pouco sobre elas, seus sintomas e também os tratamentos.

Você ainda vai aprender como prevenir esses males e manter a saúde dos seus rins. Acompanhe!

Quais são as principais doenças renais?

Nossos rins,como qualquer outro órgão, também podem adoecer, e são várias as doenças que os afetam. Elas podem estar relacionadas aos hábitos, às alterações orgânicas, às lesões, entre outros. Veja a seguir quais são as principais doenças renais:

Cálculo renal

Esse problema, também conhecido como “pedra nos rins“, caracteriza-se pela formação de cristais ou agregados de elementos como o cálcio, o oxalato e o ácido úrico. Formam-se realmente pedras, que podem chegar a 2,5 cm.

Essas pedras se originam nos rins em função da alta presença dessas substâncias, em combinação com a pouca quantidade de água para eliminá-las. Então, os rins não conseguem se livrar das partículas e elas acabam se acumulando.

As pedras podem migrar para o ureter, canal que transporta a urina. Ali, elas acabam causando seu entupimento, e para eliminar o corpo estranho, o organismo executa contrações, que são muito dolorosas, as chamadas cólicas renais.

Doença policística renal

Essa doença dos rins se caracteriza pela formação de um tecido anormal nesses órgãos. Esse tecido se diferencia daquele que constitui o rim, e com o tempo, desenvolvem-se de forma lenta e acumulam líquidos.

O órgão afetado por essa doença apresenta cistos (acúmulo de líquidos em uma cavidade delimitada) de tamanhos diferentes. Elas interferem nas funções renais e podem levar à insuficiência do órgão, comprometendo a saúde e até mesmo a vida da pessoa.

É mais comum que o problema se manifeste na forma DRPA (Doença Renal Policística do Adulto).

Nesse caso, ela costuma desenvolver-se entre os 30 e 40 anos de idade, tendo origem hereditária. Filhos de pessoas que possuem o problema têm 50% de chance de desenvolvê-lo também.

Cisto renal

As pessoas que apresentam essa doença nos rins não precisam ficar assustadas, porque os cistos renais simples não são graves. Na verdade, trata-se de um problema bastante comum e que costuma manifestar-se conforme a idade avança.

Um cisto renal trata-se da formação de uma bolsa única que se enche com líquido. Não é um tumor, início de câncer ou outro problema que ofereça risco maior. Na verdade, o cisto apenas se forma e ali permanece, sendo que dificilmente afeta a função renal.

Porém, é preciso controlar o seu desenvolvimento, porque dependendo do seu volume ele atrapalha o trabalho dos rins. Também porque se acabar se rompendo é preciso uma intervenção médica. Mas de um modo geral, são formações benignas.

Hidronefrose

Esse problema é caraterizado pelo acúmulo de urina nos rins, quando eles não conseguem enviar o líquido para a bexiga. Isso acontece em função da obstrução ou compressão dos ureteres, e pode afetar tanto apenas um, como os dois rins.

A obstrução do canal que transporta a urina pode ser ocasionada pela presença de cálculos renais, o aumento da próstata no homem, a gravidez, a formação de tumores, e outros. A urina acumulada provoca também o aumento do tamanho dos rins.

Se não tratada, a hidronefrose com o tempo inibe a função renal, porque esse órgão não tem para onde enviar o líquido extraído do sangue. Assim, pode ocasionar a insuficiência renal, e ainda aumenta os riscos de infecções urinárias.

Insuficiência renal

A insuficiência renal é um problema caraterizado pela perda das funções dos rins, ou seja, eles deixam de filtrar o sangue e eliminar as toxinas do organismo, alterando a composição química sanguínea, podendo levar a pessoa à morte.

Esse problema pode se manifestar na forma aguda, quando é um estado passageiro que pode ser revertido por meio de tratamento adequado, em função daquilo que a provocou. Infecções urinárias e obstrução dos ureteres são possíveis causas da forma aguda da doença.

Já na forma crônica da doença, a pessoa perde a função renal de forma gradativa, sendo que ela pode parar definitivamente com o tempo. Nesse caso, é preciso realizar sessões de hemodiálise para filtrar o sangue, e somente o transplante é um tratamento eficaz.

Existem ainda outros problemas que podem afetar os rins, e devemos estar atentos aos sintomas dessas doenças para que possamos identificá-las logo no começo e buscar por ajuda médica o quanto antes.

Quais sintomas as doenças nos rins provocam?

Todos os dias nossos rins filtram cerca de 140 litros de sangue, ou seja, eles trabalham bastante e de forma incessante. Por isso, quando não encontram as condições ideais para trabalharem, alguns sintomas físicos podem indicar que algo está errado.

Também podemos identificar problemas quando a urina tem o seu aspecto alterado. Assim, para saber se estamos começando a apresentar alguma doença nos rins devemos estar atentos a como nos sentimos e ao aspecto da urina.

A seguir, listamos alguns sintomas que indicam alterações das funções renais. Note que nem sempre elas significam algum problema grave, mas são alertas para que você tenha mais cuidado com seus rins. Confira.

1. Redução do volume de urina

A urina é composta por líquidos, sais minerais e toxinas que os rins filtram do sangue para serem eliminadas do corpo. Por isso, quanto mais bebemos água maior será o volume de urina expelido ao longo do dia.

Sendo assim, a quantidade varia para cada pessoa, mas é preciso saber que quando o volume está pequeno demais isso pode ser sinal de que algo está errado. O problema pode estar na baixa ingestão de água, o que pode ser sanado hidratando-se melhor.

Porém, também se relaciona com a perda da função renal, sendo que os rins estão aos poucos deixando de filtrar o sangue, e por isso, não produzem a urina. Esse sintoma também pode estar relacionado com a obstrução dos ureteres.

2. Inchaço excessivo nas pernas

Quando os rins não filtram o sangue, os líquidos e toxinas acabam acumulados no corpo, e isso causa inchaços, em especial nas pernas e nos pés. Também pode inchar as mãos, abdome ou mesmo órgãos internos, como o coração e pulmões, conhecido como edema.

Esse edema pode causar também a hipertensão, razão pela qual os hipertensos precisam fazer uso de remédios que estimulam a micção, os diuréticos. Além desses líquidos acumulados, ainda ficam retidas as toxinas, que provocam a oxidação das células e são uma das possíveis causas de câncer.

O inchaço pode ser o sinal de baixa ingestão de líquidos, o que interfere nas funções renais. Ou pode estar relacionado com a perda da função renal, problema grave que deve ser analisado por um médico.

3. Cansaço constante

O sangue é responsável por transportar oxigênio e nutrientes para todas as células do corpo. Quando os rins não o filtram de formar adequada, há comprometimento dessas funções sanguíneas também. O resultado é o cansaço excessivo.

Está entre as funções dos rins a produção do hormônio que estimula a medula óssea a produzir os glóbulos vermelhos do sangue (hemácias). Quando esses órgãos não funcionam adequadamente, há comprometimento dessa produção, o que pode levar ao quadro de anemia.

Assim, como o corpo não está sendo nutrido como deveria, então há, mais uma vez, a manifestação do cansaço. Além disso, se os rins não filtram o sangue ele se torna mais ácido, o que é outra explicação para a fadiga.

4. Coceira pelo corpo

Como dito, os rins filtram as toxinas do sangue para que elas sejam expelidas por meio da urina. Quando as funções renais se comprometem em função de doenças nos rins, as toxinas ficarão acumuladas, e isso provocará reações orgânicas, como a coceira (prurido).

O corpo precisa de alguma forma se livrar das toxinas que acumulou, então, a coceira na pele pode evoluir para erupções cutâneas e também prurido. A cútis fica muito irritada quando o sangue não está em condições saudáveis.

Uma alergia sem explicação aparente pode indicar um problema nos rins. Por isso, é importante observar se junho dela também não há sintomas como a redução do volume de urina, ou alteração significativa em sua coloração, tornando-se muito escura.

5. Alterações no aspecto da urina

É considerada saudável a urina clara, aquosa e com odor ameno. Com exceção da primeira urina da manhã, que tende a ser mais escura e com um odor forte, as demais ao longo do dia devem ter o aspecto citado.

Quando há alterações, como uma cor escura demais, odor intenso ou aspecto espumoso, é preciso buscar ajuda médica.

Se essas características ainda se seguem de dor, desconforto ou pressão na bexiga na hora de urinar, e não cessam com o aumento da ingestão de água, é um forte indício de doenças nos rins.

Em alguns casos, pode haver a presença de sangue na urina, sendo que essa condição requer atenção especial, pois pode indicar uma infecção mais expressiva do trato urinário. É essencial consultar um especialista o quanto antes.

6. Dor ou pressão na barriga ao urinar

Urinar deve ser um ato natural e indolor. Quando sentimos dor, queimação, ardência, dificuldade ou pressão na barriga nesse momento, isso é sintoma de algum problema.

Também devemos estar atentos se a vontade de urinar for intensa e não estiver condizente com o volume de urina expelido.

Essas sensações podem resultar de algum impedimento para a saída da urina, ou então caracterizar algum tipo de infecção. Nenhuma delas é natural, bem como a urgência para urinar, que surge de forma repentina, sendo preciso ir ao banheiro o quanto antes.

7. Dor lombar

Os rins estão localizados na parte inferior do abdome, cada um em um das laterais do corpo. Por isso, quando há algum problema com eles podemos sentir também dores nas costas, na região lombar.

Mas é preciso identificar quando as dores são de origem muscular, em função da má postura ou quando irradiam da parte interna do organismo. Nesse último caso o problema pode estar nos rins.

Condições como cálculos renais e infecções podem ocasionar essa dor, que costuma ser muito intensa e vir acompanhada, algumas vezes, de vômitos, dificuldade para urinar e sensação de ardência.

Identificar essa dor, mesmo quando ela ainda é sutil, ajuda a obter um diagnóstico precoce de doenças nos rins.

É importante saber que nem sempre os problemas renais manifestam sintomas claros quando estão em estágio inicial. Por isso, precisamos conhecer a rotina do no organismo, o aspecto da urina e também visitar o médico com frequência para realizar exames.

Como as doenças dos rins são tratadas?

O especialista que trata de problemas relacionados aos rins é o nefrologista, e ele está totalmente apto para realizar diagnósticos precisos e recomendar as intervenções adequadas para cada caso.

Entretanto, o diagnóstico de casos mais simples, como de infecções urinárias, por exemplo, pode ser realizado por clínicos gerais.

A abordagem para tratamento de doenças nos rins varia segundo cada pessoa e o que está causando o problema.

Algumas vezes ele pode ser sanado apenas com uma mudança na alimentação e nos hábitos. Em outras, pode exigir o uso de medicamentos, como antibióticos e diuréticos.

Há também casos em que o tratamento envolve diálise ou hemodiálise, procedimentos mais invasivos que requerem acompanhamento do especialista para serem bem-sucedidos e seguros para o paciente. Assim como também pode ser necessária a intervenção cirúrgica.

Nesse último caso ela é recomendada apenas quando há lesões nos rins ou algumas características que os impede de cumprirem suas funções. E somente é adotado esse tipo de tratamento quando os demais realmente não são eficazes para surtirem o efeito necessário.

Não é recomendado que o indivíduo que sente desconfortos, e acredita serem de origem renal, se automedique ou tente tratamentos caseiros. É preciso lembrar que sendo os rins órgãos de vital importância, precisam de atenção especializada e diagnóstico preciso.

Não buscar por ajuda médica pode agravar o caso e dificultar o trabalho do médico para identificar o que pode estar ocasionando o problema. Então, sempre prefira consultar-se com o especialista, inclusive em caráter preventivo.

Por que é preciso fazer exames com frequência?

Como você viu nos sintomas de doenças nos rins, alguns deles são muito sutis e podem passar despercebidos. Esse é o caso daqueles que alteram o aspecto da urina. Também as dores nas costas, que podem ser associadas a outras causas.

Porém, ainda que um problema não manifeste sintomas, isso não significa que ele não esteja agredindo o organismo. Então, um mal silencioso pode estar evoluindo e afetando os rins sem que nos demos conta disso.

Sendo assim, é fundamental que façamos exames de rotina para observar a saúde desses órgãos. E esses procedimentos podem ser realizados durante os check-ups médicos, que devem ser feitos periodicamente.

Exames de sangue e de urina ajudam a identificar alterações orgânicas, como a presença de infecções, alterações na química sanguínea, mudanças no aspecto natural da urina, entre outros.

Eles permitem ao médico observar essas alterações quando elas ainda são sutis, possibilitando iniciar o tratamento antes que as doenças se agravem e interfiram de forma significativa nas funções renais.

Esses exames são de extrema importância, tanto para verificar a saúde dos rins como de todo o organismo. Afinal, cada órgão depende do outro para manter o equilíbrio do corpo. Portanto, todos devem estar saudáveis.

E para pessoas que já possuem casos de doenças renais na família, é ainda mais importante não faltar a essas consultas e manter um controle rigoroso. Também para aquelas que sofrem de problemas como a hipertensão e a diabetes.

Não podemos esquecer de que as crianças também desenvolvem problemas renais, e em meninas, por exemplo, é comum a infecção urinária de origem bacteriana. Sendo assim, os pais devem estar atentos.

Os rins podem apresentar problemas em suas funções conforme a idade avança. Por isso, os responsáveis por pessoas idosas devem fazer esse acompanhamento para manter a saúde dos órgãos e garantir qualidade de vida para os idosos.

E para todos os grupos de pessoas, o melhor ainda é prevenir as doenças nos rins para evitar que esses órgãos fiquem comprometidos. A seguir deixamos algumas dicas para que você possa cuidar de sua saúde e da sua família também.

Como prevenir as doenças renais?

As doenças nos rins, em grande parte dos casos, podem ser prevenidas. Isso porque, como dito, elas também estão relacionadas aos maus hábitos, alimentação, ingestão de água e outras doenças.

Veja como você pode proteger os seus rins:

Beba bastante água

A água é o líquido essencial para garantir a hidratação do nosso organismo. Para que os rins funcionem bem precisamos dela a fim de eliminar as toxinas do sangue e o excesso de sais minerais.

Por isso, é fundamental que hidratemos o corpo com água. Sucos, refrigerantes, isotônicos, entre outros, não cumprem a mesma função que a água. Eles ainda podem agravar casos de doenças nos rins.

Isso porque essas bebidas contêm sais minerais e eles vão somar àqueles ingeridos por meio da alimentação. Como consequência, há um excesso dessas substâncias, e elas podem formar pedras nos rins.

Controle o diabetes

É muito importante manter o controle de nível de glicose no sangue, a fim de evitar os problemas que o diabetes pode ocasionar.

No caso dos rins, como o excesso de glicose interfere na microcirculação, esses órgãos também são afetados e não conseguem cumprir muito bem o seu papel por causa das lesões nos vasos sanguíneos.

O diabetes também pode causar lesões nos nervos, e isso faz com que esvaziar a bexiga seja mais difícil. Assim, a urina fica retida ali, o que eleva a pressão em seu interior e pode afetar os rins, causando a hipertensão renal. Também provoca infecções do trato urinário.

Evite medicamentos perigosos para os rins

Diversas substâncias, como anti-inflamatórios e antibióticos, podem causar danos aos rins se utilizadas por longos períodos. Por isso, é importante evitar esses remédios e sempre solicitar ao seu médico que receite substâncias seguras.

Em especial se você já tiver sofrido algum tipo de problema renal, ou se em sua família há casos de doenças dos rins. Também é importante evitar a automedicação, já que nem sempre conhecemos ao certo a composição dos medicamentos.

Reduza a ingestão de sal

O sal é rico em sódio, uma substância que tem a propriedade de absorver a água do nosso organismo. Assim, quando um alimento está carregado desse tempero, quando ele chega ao organismo seus minerais vão para o sangue, e os rins tem a missão de filtrá-los.

Porém, ele precisa de água para fazer isso, e como o sódio consumiu parte dela, os rins sentem dificuldade para fazer a filtragem. Então, o sódio volta para a corrente sanguínea, e assim permanece em um círculo vicioso.

Com o tempo, podem se formar cálculos renais em função das toxinas que os rins acabam absorvendo por tentarem sem sucesso eliminar o sódio. Também porque eles ficam sem água para filtrar as demais substâncias que precisam ser eliminadas do corpo.

Mantenha a pressão arterial equilibrada

Quando não há o controle da hipertensão ela pode afetar os vasos sanguíneos tornando-os mais rígidos. Isso dificulta a circulação do sangue para os rins. Com isso, eles não conseguem cumprir sua função.

Mas eles também precisam ser irrigados para trabalharem bem, assim, além de não eliminarem as toxinas, os rins não recebem oxigenação e nutrientes, então, seus tecidos são lesionados.

Como consequência dos dois problemas, os rins vão deixando de funcionar, até que se desenvolve a insuficiência renal. O corpo passa a reter líquido e sais em excesso, o que por sua vez aumenta ainda mais a pressão arterial.

Junto de todos esses cuidados não se esqueça de manter uma alimentação saudável, priorizando alimentos de origem natural e evitando aqueles ricos em sódio, os industrializados e temperos artificiais.

As doenças nos rins podem ser graves e levar um indivíduo à morte, então, valorize esses órgãos e proteja-os adotando hábitos saudáveis.

Também não se esqueça do seu check-up anual para acompanhar a saúde dos seus rins e do seu organismo de um modo geral, afinal, outras doenças podem também causar danos à eles.

Esse é um tema muito interessante, não é mesmo? E temos ainda outros para compartilhar com você. Assine nossa newsletter e receba-os em primeira mão!

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *