Como funciona a dieta Dukan?

A cada dia encontramos na mídia um tipo de dieta diferente, não é mesmo? Principalmente porque alguma celebridade conseguiu ficar em plena forma física, em um curto intervalo de tempo, e noticia a dieta feita. Dessa forma, a dieta Dukan esteve recentemente entre as mais comentadas.

Elaborada por um médico francês chamado Pierre Dukan, ela ficou muito conhecida pelos bons resultados que as pessoas conseguiram seguindo seus princípios, que estão descritos no livro “Eu não consigo emagrecer”.

No entanto, apesar de já ter ouvido sobre o assunto, você realmente sabe como funciona a dieta Dukan? Continue lendo este post e descubra!

Quais são os princípios da dieta Dukan?

A dieta Dukan é um programa composto por quatro fases para perder peso de forma rápida e sem passar fome. Sua principal característica é restringir a ingestão de carboidratos e dar preferência às proteínas magras.

Aproximadamente 100 alimentos saudáveis são permitidos de maneira irrestrita, sem grandes recomendações sobre a quantidade e horário de consumo, apesar de cada fase da dieta apresentar indicações específicas.

Além disso, há outros princípios que devem ser seguidos para alcançar os resultados, como tomar água em abundância e livrar-se do sedentarismo, caminhando diariamente (por pelo menos 30 minutos, a partir da segunda fase da dieta).

Como ela funciona na prática?

A Dukan propõe um tratamento individualizado, sendo que o primeiro passo é fazer uma estimativa do “true weight” (peso verdadeiro) de cada pessoa. Esse valor leva em conta idade, peso, altura, nível de atividade física, entre outros fatores — existe uma calculadora no próprio site que faz essa conta.

A partir disso, a pessoa conseguirá saber quantos quilos precisa emagrecer, o que vai influenciar no tempo de duração de cada fase da dieta. Por exemplo, a sugestão é que:

  • quem deseja perder 5 kg fique apenas 1 dia na primeira fase;

  • quem deseja perder de 6 kg a 10 kg fique 3 dias na primeira fase;

  • quem deseja perder de 11 kg a 20 kg fique 7 dias na primeira fase.

Ou seja, as necessidades e os objetivos de cada um funcionam como um parâmetro para dar andamento à dieta. Logo, esse primeiro passo é essencial para fazer o procedimento de forma correta.

Então, é preciso seguir as orientações de cada fase, que funcionam conforme a descrição a seguir.

1. Fase de ataque

A primeira fase costuma durar de 1 a 7 dias (dependendo das características e desejos da pessoa), mas apesar de ter uma curta duração, ela é bastante intensa, pois a alimentação deve ser baseada exclusivamente em proteínas.

Os carboidratos são proibidos e só é permitido comer uma colher e meia de sopa de farelo de aveia por dia, o que ajuda na saciedade e aumenta a quantidade de fibras para o funcionamento do intestino.

Fora isso, deve-se escolher entre opções como carnes magras (sempre grelhadas, assadas ou cozidos), ovos cozidos (no máximo dois por dia), iogurte natural, leite desnatado e queijos magros (cottage, ricota etc).

Para beber, a recomendação é tomar cerca de dois litros de água diariamente, além de chá e café (sem açúcar). O único “doce” permitido na dieta é a gelatina sem açúcar.

2. Fase de cruzeiro

Na segunda fase são introduzidos alguns tipos de legumes e verduras, que devem ser consumidos crus ou cozidos em água e pouco sal. É permitido comer tomate, pepino, alface, cogumelo e abobrinha, por exemplo.

Outra regra dessa fase é intercalar, durante uma semana, os dias em que se come só proteína com os dias em que é possível comer proteína, legumes e verduras. Já o farelo de aveia passa de uma colher e meia para duas colheres de sopa.

Sua duração é variável, pois depende do emagrecimento da pessoa. As duas primeiras fases são para a perda de peso, portanto, devem durar o tempo que cada um precisar para perder todos os quilos desejados.

3. Fase de consolidação

A partir da terceira fase, inicia-se o processo de manutenção do peso. Assim, além das proteínas, legumes e verduras, são adicionadas por dia duas porções de fruta, duas fatias de pão de forma integral e uma porção (40 gramas) de qualquer tipo de queijo.

Durante a consolidação, é permitido também comer uma porção (225 gramas) de carboidrato (como arroz, macarrão ou feijão) duas vezes por semana e duas refeições completas livres na semana (com entrada, prato principal e sobremesa) que podem ser acompanhadas de uma taça de vinho — as famosas “comidas de celebração”.

Outra diferença é que, agora, os vegetais podem ser consumidos todos os dias e o farelo de aveia passa para duas colheres e meia. Já em relação às frutas, é preciso evitar aquelas que são muito ricas em carboidratos, como banana, uva e frutas secas.

Essa fase é crucial para que as pessoas comecem a introduzir algumas “escapadas”, mas sem deixar que isso se torne um hábito novamente e todo o resultado seja perdido.

Sua duração deve ser de 10 dias para cada quilo perdido — por exemplo, se você perdeu cinco quilos, é preciso fazer a fase de consolidação por 50 dias.

4. Fase de estabilização

Enfim, a fase final garante maior liberdade e não apresenta restrições, mas é importante que a pessoa tente manter bons hábitos alimentares. Uma boa tática é ter como base a fase de consolidação para evitar muitos exageros.

O farelo de aveia deve ser aumentado para três colheres por dia e, além disso, é necessário fazer um dia da semana de pura proteína (como na fase de ataque), regra que deve ser seguida à risca.

A ideia é que a estabilização siga para o resto da vida da pessoa, que deve tomar sempre muito cuidado no dia a dia para não extrapolar e adquirir todo o peso novamente.

Quais são suas principais vantagens e desvantagens?

A dieta Dukan, normalmente, é uma opção para as pessoas que desejam perder peso de forma rápida e sem grandes restrições de quantidade de comida.

De fato, muitas delas conseguem bons resultados na balança ao restringirem significativamente a ingestão de carboidratos e focar no consumo de proteínas — que têm a digestão mais lenta e costumam promover maior saciedade.

Contudo, há também muitos relatos de pessoas que não se adaptam bem a esse tipo de dieta. Geralmente isso acontece porque os carboidratos são a nossa principal fonte de energia, logo, sua exclusão tende a causar sintomas, como fraqueza, tontura, desânimo, excesso de ansiedade e até desmaios.

Outro ponto que pode ser considerado como uma desvantagem está ligado à sobrecarga dos rins, causada pelo consumo excessivo de proteínas, o que pode gerar insuficiência renal e outras complicações. No entanto, há estudos que indicam que isso não ocorre com pessoas que têm os rins saudáveis.

A grande restrição de alimentos também é considerado por muitos um fator negativo, inclusive podendo gerar carências nutricionais. Isso seria um dos motivos para as pessoas acabarem desistindo da dieta ou então viverem um eterno efeito sanfona, sem conseguirem reeducar a alimentação.

Por fim, vale ressaltar que qualquer tipo de dieta deve ser sempre acompanhada por um profissional da nutrição (nutricionista ou nutrólogo), para que o paciente consiga atingir seus objetivos sem prejudicar a saúde.

E então, conseguiu entender melhor o que é a dieta Dukan? Se ainda restou alguma dúvida ou você tem uma experiência sobre o assunto, deixe seu comentário!

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

2 Comentários

  1. Amanda Lurdes

    Preciso perder peso urgente, espero que suas dicas possam me ajudar porque já estou cansada de se sentir mal comigo mesma, me desculpe pelo desabafo e obrigada por compartilhar esse conteúdo.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *