Como é feito o tratamento de alopecia androgenética?

A alopecia androgenética ou calvície consiste em uma condição que leva seu portador à queda dos cabelos. Ao contrário do que muitos pensam, essa condição pode atingir tanto homens quanto mulheres, embora possa haver diferença considerável de manifestação de acordo com o sexo.

A calvície é majoritariamente determinada pela condição genética do indivíduo. Porém, é possível que fatores como estresse, ansiedade, depressão ou exposição a agentes químicos possam acelerar ou ainda causar um quadro de queda de cabelos.

Embora não haja ainda um tratamento 100% eficaz, existem alguns fármacos que podem retardar ou mesmo controlar a queda dos cabelos ao longo de seu uso. Pensando nisso, separamos abaixo algumas das principais informações sobre o tratamento de alopecia androgenética, assim como alguns detalhes de sua manifestação. Continue lendo e saiba tudo sobre o assunto!

Como a alopecia androgenética acontece?

A alopecia androgenética ou calvície acontece em função de dois fatores: a hereditariedade, ou seja, a herança genética do indivíduo; ou ainda a quantidade de hormônios masculinos produzidos no corpo.

A presença de grande quantidade desses hormônios no organismo acaba por causar a atrofia dos folículos ou bulbos capilares. Esses folículos são as regiões do couro cabeludo que formam os fios de cabelo e, uma vez atrofiados, não são mais capazes de voltar a produzir as proteínas capilares.

Tudo no organismo é determinado pela expressão dos genes presentes nas células do corpo. No caso do crescimento ou queda dos cabelos não é diferente, uma vez que a carga genética do indivíduo tem influência direta na perda progressiva de seus cabelos ao longo da vida.

Assim, se uma família apresenta um grande número de pessoas calvas é bem provável que grande parte de seus descendentes compartilhem dessa condição. Porém, vale ressaltar a grande influência do meio sobre a expressão da alopecia androgenética.

Mesmo que a calvície seja determinada geneticamente, alguns fatores como estresse, ansiedade e exposição a fatores químicos pode acelerar consideravelmente a queda de cabelos. Embora essa queda seja inevitável nos indivíduos portadores da alopecia androgenética, a não exposição a fatores agressivos poderia retardar a manifestação da condição para outro momento da vida em alguns casos. 

A quem ela atinge?

A alopecia androgenética atinge de forma mais abrangente os homens mas, ao contrário do que muitos pensam, também pode afetar as mulheres. Por estar associada diretamente com a produção de hormônios masculinos, a calvície se manifesta principalmente nos homens, em razão das mulheres produzirem esses hormônios em uma quantidade bastante baixa.

Além disso, os hormônios femininos exercem uma espécie de bloqueio sobre essa ação dos hormônios masculinos como a testosterona, o que impede a expressão da alopecia androgenética por muitos anos.

Porém, após os 50 anos, toda mulher entra no período da menopausa, o que faz com que a produção de hormônios como o estrogênio decresça consideravelmente. Logo, nesse período da vida há um maior índice de ocorrência de calvície em mulheres que são geneticamente predispostas ao desenvolvimento da condição.

Quais as opções de tratamento de alopecia androgenética?

O desenvolvimento de fármacos para o tratamento de alopecia androgenética tem tido excelentes resultados nos últimos anos, proporcionando ganhos consideráveis a muitos indivíduos que buscam uma solução médica para a condição. Entretanto, é preciso lembrar que nem sempre ocorrerão ganhos nas mesmas proporções em todos os pacientes, uma vez que o sucesso do tratamento depende diretamente de sua carga genética.

Um dos medicamentos mais utilizados no tratamento para alopecia androgenética é o minoxidil. Esse fármaco é um poderoso vasodilatador que, quando em contato com os folículos capilares, impede temporariamente a ação atrófica provocada pela ação dos hormônios masculinos.

Dessa maneira, o paciente deve aplicar diariamente no couro cabeludo uma solução de minoxidil receitada por um dermatologista qualificado. A partir de um uso frequente e disciplinado, é possível obter resultados extremamente animadores durante um bom período de tempo.

Infelizmente, os efeitos do minoxidil tendem a diminuir com o passar do tempo. Porém, seu uso associado a outros tratamentos ainda pode controlar a queda e o crescimento dos cabelos.

Uma outra droga bastante eficiente e amplamente utilizada ao redor do mundo é a finasterida. Os efeitos de interrupção da queda de cabelos desse fármaco foram descobertos acidentalmente, uma vez que, originalmente, esse medicamento era utilizado para tratamentos com o objetivo de diminuição do tamanho da próstata.

Vale ressaltar que a finasterida só possui efeito comprovado sobre homens, e não deve em hipótese alguma ser administrada para pacientes do sexo feminino. Em casos de gravidez, não é recomendável que a paciente sequer toque o medicamento, devido ao risco de causar problemas de desenvolvimento no feto.

Existem ainda outros tratamentos complementares para impedir o avanço da calvície, tais como a utilização de laser. Existem diversos aparelhos disponíveis no mercado que emitem raios laser sobre o couro cabeludo, conseguindo ótimos resultados na recuperação dos bulbos capilares e, consequentemente, no retorno do crescimento dos cabelos.

Vale citar também o implante capilar como uma solução estética para a alopecia androgenética. Em alguns casos o paciente deixa de responder ou tem respostas irrelevantes aos tratamentos para a condição o que faz com que a escolha por um implante seja uma opção viável para aqueles que prezam muito pela estética.

Quanto tempo dura o tratamento para alopecia androgenética?

Não há um tempo de duração estabelecido para o tratamento de alopecia androgenética. Uma vez detectado pelo dermatologista que a origem da queda de cabelos é genética, será necessário a submissão constante aos tratamentos para controlar a queda dos fios.

Dessa forma, o paciente que se submete ao tratamento para alopecia androgenética deve ter a disposição e disciplina de seguir as orientações do médico responsável à risca. E, embora cada caso seja diferente, é possível obter resultados bastante satisfatórios no controle da calvície.

Quais resultados esperar do tratamento de alopecia androgenética?

É extremamente importante ser realista após o início do tratamento para alopecia androgenética. Como já foi dito, ainda não há um tratamento que tenha uma eficácia no sentido de correção da calvície. 

Por isso, deve-se ter consciência de que, por mais que os tratamentos disponíveis no mercado tenham resultados cada vez mais promissores, haverá apenas a possibilidade de controle da condição.

Gostou de saber mais sobre como é feito o tratamento de alopecia androgenética? Confira também 5 dicas para acabar com os piolhos — e impedir que eles voltem!

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *