Alimentos ricos em carboidratos: vilões ou mocinhos?

Alimentos ricos em carboidratos são as principais fontes de energia para as pessoas. Isso porque eles são degradados, após a digestão, em partículas de glicose, consideradas como os combustíveis para o funcionamento das células.

Porém, seu consumo em excesso está associado à deposição dessa substância em algumas regiões do corpo — especialmente no abdômen —, o que pode ser considerado um fator de risco para o desenvolvimento de diversas doenças.

Por isso, é preciso compreender quando os carboidratos são considerados os vilões ou os mocinhos a fim de corrigir os hábitos alimentares incorretos para obter somente os benefícios desse grupo alimentar.

Quer entender por que os alimentos ricos em carboidratos podem ser vilões ou mocinhos? Então continue lendo este post de hoje e aprenda!

Quais são os tipos de carboidratos existentes?

O carboidrato deve representar, aproximadamente, 70% da nossa dieta devido à sua função de propiciar energia para as atividades diárias. Isso significa que é importante ingerir esse nutriente em todas as refeições.

Todavia, existem duas classificações para esse grupo funcional: carboidrato simples e carboidrato complexo. O primeiro é representado, basicamente, pelas guloseimas em geral. Já o segundo é aquele que é encontrado em pães, macarrões, massas e afins.

O carboidrato simples disponibiliza a glicose para a corrente sanguínea de forma mais rápida e, por isso, não promove uma saciedade significativa. Esse sentimento é uma condição na qual o indivíduo não sentirá fome por, pelo menos, três horas.

Já o carboidrato complexo, devido à sua alta carga, demoram um período de duas horas, aproximadamente, para repor a glicose sanguínea. E, quando é utilizado em excesso, gera uma sensação de empanzinamento que é característico desse tipo de alimento.

Quais são os riscos do excesso dos carboidratos simples?

As pessoas têm a falsa ideia de que apenas os açúcares simples causam aumento da glicemia. Nesse contexto, as guloseimas podem ser consideradas vilãs, pois condicionam o paladar para dar preferência aos alimentos processados com maior teor de doçura.

Contudo, é comum que esse tipo de alimento processado com alto teor de açúcar contenha outros compostos prejudiciais, como o sódio e a gordura saturada — que são responsáveis pelo aumento da pressão arterial e pelos distúrbios de triglicérides.

Além disso, apresentam conservantes — substâncias que são potencialmente alergênicas e possuem propriedades tóxicas —, aumentando, dessa maneira, as incidências de doenças do metabolismo ou anormalidades nos órgãos.

Quais são as consequências do abuso dos carboidratos complexos?

Por outro lado, pessoas que ingerem carboidratos complexos em preparações alimentares com alto teor de sal e gorduras tendem a ganhar peso facilmente. A rotina diária que privilegia a inclusão de “comidas pesadas” deve ser repensada.

Desse modo, lasanha, macarronada, pães e massas, em geral, devem ser consumidos esporadicamente ou em eventos especiais. Isso porque, além dos carboidratos, contêm gorduras, proteínas em excesso, gorduras trans etc.

A justificativa se refere ao depósito de carboidratos em regiões abdominais — podendo favorecer o aparecimento de doença cardiovascular. Os principais estudos clínicos já associaram o aumento de peso às incidências de hipertensão e de infartos, principalmente nos indivíduos que possuem concentração de adiposidade na região da cintura.

O ganho excessivo de peso e o desenvolvimento da obesidade constituem algumas das consequências do aumento do consumo de carboidratos — condições que podem influenciar fortemente no aparecimento de diabetes.

Isso porque as células adiposas — que estão em grande quantidade no paciente obeso — diminuem o sítio de ligação das células que internalizam a glicose, ocorrendo, dessa forma, a hiperglicemia.

Os alimentos ricos em carboidratos são vilões?

Os carboidratos não podem ser incisivamente classificados como vilões, uma vez que esse grupo alimentar é essencial para manter a energia e vitalidade dos órgãos. Os processos metabólicos dos quais eles fazem parte são essenciais para várias funções, entre elas estão as cardíacas e as neurológicas.

Além disso, a ingestão de nutrientes — conforme a orientação de um nutricionista — é essencial para que a quantidade ingerida de açúcares não ultrapasse o volume tóxico. E isso irá variar de indivíduo para indivíduo.

Entretanto, alimentos ricos em carboidratos podem ser considerados vilões se consumidos de forma incorreta, em horários inadequados e associados a outras atitudes nocivas — como a ingestão frequente de bebida alcoólica.

Como os carboidratos podem virar mocinhos?

Para que o consumo de açúcares não seja prejudicial, é preciso comer em pequenas porções — mas que não deixe ninguém com fome. Além disso, a inclusão de fibras na alimentação e/ou a substituição pelos carboidratos integrais também são alternativas interessantes.

Isso porque a adição de fibras (aveia, linhaça, chia, quinoa etc.) em preparações alimentares tende a aumentar a saciedade e diminuir a compulsão por açúcares simples, dentre outras propriedades clínicas que também são importantes.

Além disso, a escolha por carboidratos integrais também pode melhorar o funcionamento intestinal, facilitar a ingestão de água e contribuir para manutenção de comportamentos positivos para a saúde.

Portanto, para considerar os alimentos ricos em carboidratos como mocinhos, é importante variar os grupos alimentares funcionais — o que inclui o consumo de proteínas, leguminosas, verduras, folhas e frutas — em diversidade e qualidade.

Qual medida não se deve tomar?

Ao se depararem com um problema clínico complexo como o diabetes e hipertensão, as pessoas costumam adotar, por conta própria, alguma restrição alimentar e acabam investindo em dietas da moda, como a flex, a low carb, a da proteína etc. Todavia, sem uma análise específica de um nutricionista, podem acarretar outras complicações clínicas, piorando o quadro em questão.

Por isso, não se deve aderir, de maneira alguma, a medidas drásticas e momentâneas para reduzir o consumo de carboidratos. Conhecimento, disciplina, mudança de hábito e controle de outras variáveis clínicas são necessários nesse momento.

Além do mais, o sedentarismo contribui fortemente para o acúmulo de carboidratos na região abdominal — e os indivíduos que não praticam atividades físicas terão maior probabilidade de desenvolver obesidade e distúrbios sanguíneos.

Por outro lado, os exercícios físicos associados a uma dieta saudável — e que tenha sido recomendada pelo profissional especializado — podem reduzir as taxas de complicações, retardar o aparecimento de doenças e, inclusive, facilitar a suspensão de medicamentos.

Em síntese, os alimentos ricos em carboidratos não podem ser classificados estritamente como vilões, pois esse nutriente é muito importante para a manutenção das funções fisiológicas. As orientações consistem, dessa maneira, em identificar as principais fontes de carboidratos, manter uma dieta saudável e praticar outros hábitos benéficos à saúde.

Agora que você já entendeu que não existem vilões e mocinhos quando o assunto é o consumo de carboidratos, ajude-nos a conscientizar outros indivíduos e compartilhe essa informação no Facebook, Instagram e Twitter.

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *