Alergia na pele: conheça as causas, sintomas e sinais de alerta!

É bem provável que você já tenha sentido alergia na pele ao menos uma vez na vida. Seja por uma coceirinha mais leve ou até por aquelas empolações desesperadoras, todo mundo já teve essa sensação. Considerando esse cenário, uma questão é fato: é sempre bom ficar de olho e se preservar.

Ainda assim, muitas pessoas não entendem muito bem o que causa a alergia de pele e quais são os principais sinais de alerta nesse caso. Se essa é a sua situação, então está no lugar certo. Criamos uma postagem completa sobre o assunto, assim você deixa as dúvidas para trás de uma vez por todas. Vamos juntos nessa?

VEJA TAMBÉM NOSSOS EBOOKS:
Check-list: o que fazer antes de começar uma atividade física?
Guia completo para emagrecer com saúde
Guia das vitaminas e minerais
Guia prático sobre vacinação
Guia prático para ter uma gravidez tranquila e saudável 

O que é alergia na pele, afinal?

A alergia é uma resposta do sistema imunológico depois da ação de uma série de agentes.
Normalmente isso acontece em indivíduos com algum tipo de predisposição genética, mas pode acontecer sem esse “pré-requisito” também. Como os efeitos causadores são muitos e variados, pode ser que diferentes pessoas sejam atingidas por causas distintas.

Alguns agentes podem ser: ácaros, insetos, pelos de animais, alimentos, remédios e pólens. A alergia na pele, também conhecida como alergia dermatológica, é tão comum que atinge hoje cerca de 10 a 20% da população mundial — uma parcela um tanto quanto considerável.  

Quais são os principais sintomas?

Para reconhecer melhor sempre que for atingido por esse tipo de alergia, nada melhor do que conhecer as manifestações mais comuns, concorda? Veja abaixo!

Dermatite atópica

Conhecida por eczema, ela é uma condição alérgica na erupção cutânea (mas com uma presença mais comum em crianças e bebês). Essa manifestação representa uma reatividade da pele em que os pacientes reagem aos estímulos ambientais. Nesse caso, o corpo começa a produzir anticorpos IgE para combater os alérgenos e irritantes.

Além das lesões, a dermatite costuma trazer também coceira forte e pele seca. Além disso, a localização da lesão pode mudar com a idade, o passar do tempo, assim como a intensidade.

Ela pode deixar de acontecer quando os pequenos crescem. Caso isso não ocorra, a doença persiste de forma crônica e com um forte desgaste da pele. A causa ainda é um pouco misteriosa, não tendo um motivo específico.

Dermatite de contato

As reações alérgicas podem surgir por meio de algo que é colocado sobre a pele. Se você não acredita, basta pesquisar o que algumas pessoas manifestam após terem contato com detergente — por usarem uma bijuteria ou passarem um esmalte.

Nesse caso, a pele cria uma lesão na área que teve contato com o alérgeno, ou seja, o causador da alergia. A forma de tratamento é descobrir o que causa a irritação e suspender o uso.

Angioedema

Essa alergia de pele é bem parecida com a urticária (que você vai entender um pouco melhor a seguir), mas com um perfil um pouco mais grave. Ela pode provocar inchaço nos lábios, língua, pálpebras e até nas vias respiratórias (comprometendo a respiração). Portanto, se perceber qualquer desses sinais de edema, procure o hospital.

Picadas de insetos

As picadas também podem provocar alergias na pele, principalmente as causadas por mosquitos. Depois de sugarem o sangue, eles injetam a saliva para evitar a coagulação. É justamente essa saliva que causa a reação alérgica.

O mais comum é apresentar as tradicionais vermelhidão e coceira no local da picada. Portanto, é bom limpar a região e perceber como ela se recupera. Caso apresente uma vermelhidão maior ao redor da picada ou até inchaço nos lábios, orelhas, pálpebras ou língua, procure o hospital. 

Urticária

A urticária pode ser causada por vários fatores, como alimentos, picadas de insetos (como abelhas ou formigas), medicamentos específicos, doenças autoimunes, hormônios etc.

Nesse caso, as lesões aparecem como placas avermelhadas, sempre com muita coceira e localização variável. É isso mesmo: ela pode ficar mudando de lugar no corpo. O ideal é descobrir a causa do problema por meio de história clínica e outros exames. Além disso, os tratamentos com anti-histamínicos podem ajudar muito, garantindo alívio para o paciente.

Como fazer o diagnóstico?

Como falamos anteriormente, o diagnóstico deve ser feito principalmente com base no histórico clínico e no exame físico do paciente. Em casos de necessidades, podem ser feitos exames para ajudar no diagnóstico. Os mais comuns envolvem:

  • testes cutâneos de leitura imediata (prick-teste) e de contato (patch-teste);
  • testes laboratoriais (como a dosagem de IgE total e específicas no sangue);
  • testes de provocação;
  • e dietas de eliminação do possível causador.

Como cuidar?

O principal tratamento da alergia envolve a abstenção daquilo que a provoca. Além disso, o controle dos sintomas pode contemplar o uso de medicamentos. Os mais comuns são os anti-histamínicos orais, também conhecidos como antialérgicos, corticóides tópicos ou orais e até a adrenalina, que é injetável, nos casos que evoluem para a anafilaxia (reação grave da alergia).

A casa e o trabalho também podem ser adaptados com o objetivo de reduzir as chances de contaminação. O ideal é garantir um ambiente ventilado, com móveis simples, sempre limpo e com controle de substâncias alergênicas.

Dependendo do caso e do fator causador, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o tratamento com vacinoterapia. Ainda assim, é fundamental evitar a automedicação e procurar um médico especialista para ter acesso ao tratamento adequado. Somente ele pode dizer qual é o caminho mais correto para tratar a alergia na pele.

Quando ligar o sinal de alerta?

Se a coceira persistir, é bom ficar de olho, pois pode sinalizar que o problema não foi resolvido e a exposição ao causador continua. O mais indicado é se dirigir até um pronto socorro e verificar a necessidade de um tratamento adequado.

Observe bem a alergia, pois ela pode ganhar proporções maiores e evoluir com inchaço das pálpebras, da língua, das orelhas, lábios e broncoespasmo (que leva a falta de ar). Esses sintomas costumam representar o início da anafilaxia ou até do choque anafilático, que é uma reação alérgica grave. 

Agora que já conhece as causas, os sintomas e os sinais de alerta da alergia na pele, fique de olho sempre que perceber qualquer alteração. Essa é a melhor forma de cuidar de você e evitar complicações. Se conhece amigos alérgicos, faça com que eles tenham acesso a esse conteúdo também! Compartilhe este conteúdo nas redes sociais e marque cada um deles! 

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *