Afinal, quais são as causas do vitiligo?

Provavelmente você já deve ter visto uma pessoa com manchas brancas pelo corpo, principalmente nas mãos e no rosto. Essas manchas, que não passam despercebidas, são causadas por uma doença não contagiosa chamada vitiligo, que acomete tanto os homens quanto as mulheres em qualquer idade.

Por atingir uma pequena parte da população mundial, essa doença parece não ser muito divulgada. Por isso, no artigo de hoje separamos algumas informações que vão ajudar você a entender melhor esse assunto que envolve tanto preconceito por parte da sociedade. Acompanhe!

VEJA TAMBÉM NOSSOS EBOOKS:
Check-list: o que fazer antes de começar uma atividade física?
Guia completo para emagrecer com saúde
Guia das vitaminas e minerais
Guia prático sobre vacinação
Guia prático para ter uma gravidez tranquila e saudável 

O que é o vitiligo?

É uma doença cutânea não transmissível que se caracteriza pelo surgimento de manchas brancas pelo corpo, provocadas pela despigmentação da pele. Isso acontece quando há uma diminuição ou falta de células produtoras de melanina no organismo, chamadas melanócitos.

Quais são as suas principais causas e sintomas?

Apesar de ainda não haver uma causa claramente estabelecida, o vitiligo parece estar associado a três teorias, que podemos conferir a seguir!

  1. Teoria neural: onde a doença atua de forma segmentar ou unilateral, normalmente sobre a região de um nervo, e promove a liberação de substâncias que destroem as células que produzem melanina, pigmento que dá cor à pele.
  2. Teoria citotóxica: defende que a despigmentação da pele é causada por substâncias derivadas da hidroquinona, que geralmente estão presentes em alguns materiais emborrachados e até mesmo em produtos para clarear a derme. Essas substâncias podem ser tóxicas para os melanócitos, resultando na destruição das células.
  3. Teoria autoimune: é considerado o caso mais frequente, que consiste no desenvolvimento de anticorpos que atacam e danificam os melanócitos, ocasionando a inibição da produção de melanina. Além disso, essa condição parece estar associada a dados genéticos e doenças autoimunes, como tireoidites e diabetes.

No entanto, independentemente da causa, o vitiligo não tem outros sintomas além das manchas pelo corpo. Essas são bem delimitadas e espalham-se por todos os membros, atingindo principalmente cotovelos, genitais, joelhos, face, pés e mãos.

Existem diferentes graus da doença?

O vitiligo pode ser divido em dois grupos que apresentam diferentes graus da doença, como:

  1. localizado: nesse caso, as manchas podem aparecer em três partes do corpo e estabilizar-se depois de alguns meses. Esse tipo também pode ser caracterizado por manchas de um lado só do corpo (segmentar) ou que surgem em algumas áreas específicas (focal), como na face, nas mãos e nos pés.
  2. generalizado: nessa situação, as manchas são simétricas, podendo ser isoladas, acometendo os mesmos locais, ou cobrir uma grande parte de ambos os lados do corpo.

No entanto, nos dois casos, não há como prever o surgimento e a evolução da doença, que pode variar de pessoa para pessoa.

Quais as maneiras de tratar ou controlar a doença?

Por não existir uma causa determinada, os tratamentos podem ser inúmeros, dependendo de cada caso. Normalmente, os métodos convencionais duram bastante tempo e envolvem medicamentos a base de corticoides, como as pomadas e loções, que podem ser passadas nos locais lesionados.

Além disso, poderão ser utilizados outros tipos de tratamentos, como:

Tratamento solar

Que consiste em se expor ao sol todos os dias em períodos controlados com produtos fotossintetizantes, para que seja estimulada a pigmentação da pele. Esses artigos só devem ser aplicados nas áreas com as manchas, nas outras partes sadias do corpo o indivíduo deve utilizar o filtro solar com fator de proteção indicado pelo dermatologista.

O ideal é que se inicie com, no mínimo, dois minutos de exposição ao sol e que este tempo aumente gradativamente, conforme a resposta da substância utilizada. Nesse caso, o efeito que se espera é a formação de um eritema, isto é, que o local lesionado fique avermelhado, indicando que a pigmentação da pele foi estimulada.

Porém, não se deve exceder o tempo de exposição recomendado pelo médico, pois isso pode ocasionar queimaduras graves que originam novas lesões.

Método PUVA

É utilizado quando o vitiligo é mais extenso e espalha-se por todo o corpo. Baseia-se na aplicação de medicamentos de uso tópico e por via oral, como os psoralenos fotossensibilizantes (substâncias que interagem com a luz), associados à exposição de raios ultravioleta específicos.

Enxertos

Este tipo de tratamento fundamenta-se na transferência da pele normal para as partes lesionadas. Normalmente, é utilizado quando a área afetada pelo vitiligo é pequena e nem sempre há um retorno positivo de pigmentação.

Despigmentação total da pele

Esse processo é recomendado para casos extremos, quando a doença atinge mais de 50% do corpo. Assim, as pequenas áreas de pele normal são despigmentadas por meio de aplicações de loções que contêm substâncias específicas para esse fim.

Contudo, a cura definitiva para as lesões são raras, pois há partes do corpo que apresentam maior dificuldade em restabelecer a pigmentação.

Além disso, é importante salientar que, durante o tratamento, é preciso controlar o estado psicológico do paciente, pois o estresse e outros fatores emocionais costumam agravar o problema.

Há alguma cura definitiva?

Embora seja possível tratar o vitiligo, até o momento não há nenhuma cura definitiva para esse tipo de patologia, uma vez que não depende apenas dos métodos terapêuticos, mas sim da reação do organismo perante o tratamento.

Vale ressaltar que um dos maiores problemas para o paciente são as lesões causadas pela doença, visto que elas produzem um impacto significativo na qualidade de vida da pessoa. Pois, além do desconforto estético, há um grande preconceito por parte da sociedade. No entanto, o vitiligo não é uma doença contagiosa e nem representa riscos relevantes para a saúde do paciente.

Por isso, é importante ficar sempre atento a qualquer mudança no corpo e, principalmente, quando a pele perde a coloração sem nenhum motivo ou lesão aparente. Caso perceba alguma alteração, procure por auxílio médico, pois quanto mais rápido for diagnosticado e iniciado o tratamento, maiores serão as chances de minimizar as consequências estéticas da doença.

Agora que você já conhece as causas do vitiligo, que tal receber mais informações sobre temas interessantes como esse? Então assine nossa newsletter e fique por dentro dos principais conteúdos do nosso blog.

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

3 Comentários

  1. Pedro Moraes França

    Parabéns pela iniciativa. Melhor maneira de prevenir é o conhecimento.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *