Afinal, por que uma pessoa tem anemia?

A anemia é caracterizada pela deficiência de glóbulos vermelhos, também conhecidos como hemácias, os elementos presentes em maior quantidade no sangue — são cerca de 5 milhões de unidades por milímetro cúbico na corrente sanguínea de um homem adulto saudável.

O principal componente das hemácias é a hemoglobina, a proteína responsável por transportar, pela circulação, o oxigênio captado pelos pulmões para os demais tecidos do corpo humano.

Quando a taxa de hemoglobina está abaixo do normal, geralmente devido à má alimentação, mas também por conta de doenças autoimunes, genéticas ou hemorragias, a dificuldade de oxigenação das células causa diversos sintomas ao organismo.

Mas, afinal, por quais razões ocorre a anemia? Quais são seus principais sintomas e suas formas de tratamento? Como evitar essa doença considerada banal, mas que pode levar à morte? Continue lendo nosso post e saiba tudo sobre essa patologia!

VEJA TAMBÉM NOSSOS EBOOKS GRATUITOS:
Check-list: o que fazer antes de começar uma atividade física?
Guia completo para emagrecer com saúde
Guia das vitaminas e minerais
Guia prático sobre vacinação
Guia prático para ter uma gravidez tranquila e saudável 

Por quais razões a anemia ocorre

A causa mais comum da anemia se dá pela carência de ferro no organismo, a chamada anemia ferropriva. A escassez desse e de outros nutrientes, como zinco, proteínas e vitaminas, contribui para o surgimento da doença em aproximadamente 90% dos casos registrados, uma vez que são elementos essenciais para a produção de glóbulos vermelhos.

A carência de vitamina B12 também influencia no surgimento de dois outros tipos da doença, a anemia megaloblástica e a anemia de Addison ou perniciosa, que ocorre quando o organismo não consegue absorver e utilizar essa vitamina para produzir hemoglobinas, mesmo havendo disponibilidade satisfatória no corpo.

Crianças, adolescentes do sexo feminino e gestantes são os principais grupos afetados pela anemia, geralmente devido a uma má alimentação, pobre em nutrientes e vitaminas. Contudo, mulheres em fase de reprodução, idosos e homens adultos também estão sujeitos a desencadear a doença.

Hemorragias nos tratos digestivo e urinário ou causadas pela menstruação pesada, bem como cirurgias, traumas e alguns tipos de câncer, podem provocar perda excessiva de sangue, ocasionando anemia.

Fatores hereditários, como a anemia falciforme e a talassemia, e doenças autoimunes, como a anemia hemolítica, mais frequente em mulheres, também provocam a doença, uma vez que, nesses casos, o próprio organismo atua para destruir os glóbulos vermelhos saudáveis.

Principais sintomas da anemia

A falta de nutrientes e o menor número de células para transportar oxigênio pelo sangue diminuem a capacidade de trabalho do organismo, causando sintomas como fadiga, sonolência, falta de disposição, mal-estar, tontura, dores de cabeça, diarreia, cãibras e até desmaios.

Falta de concentração, falhas de memória, perdas cognitivas, diminuição de produtividade no trabalho, maior dificuldade de aprendizado e crianças mais apáticas também são sintomas comuns da anemia.

Com o corpo preservando energia para o funcionamento dos órgãos mais importantes, as mucosas e a pele são as primeiras afetadas, passando a receber menos sangue, o que provoca palidez cutânea e deixa as extremidades, como pés e mãos, mais frias do que o normal e com formigamentos.

O déficit de hemácias também deixa o sangue mais diluído e sua coloração avermelhada menos viva, fazendo com que as gengivas, as palmas das mãos e a conjuntiva dos olhos fiquem anormalmente esbranquiçadas.

Além disso, a privação de oxigênio exige uma sobrecarga do coração para abastecer satisfatoriamente os demais órgãos, desalinhando os batimentos cardíacos e ocasionando taquicardias e arritmias.

Em casos de pacientes com histórico de problemas no coração, esses sintomas podem ser bastante preocupantes, uma vez que a frequência cardíaca acelerada pode provocar falta de ar, reduzindo ainda mais a oxigenação do organismo e exigindo maior esforço do sistema cardiovascular, o que causa dores no peito e, em situações mais graves, até insuficiência e isquemias cardíacas.

Em casos específicos, como a anemia perniciosa, estágios avançados da doença podem comprometer o sistema nervoso periférico, ocasionando dificuldades de locomoção. Já na hemolítica, os sintomas físicos ficam mais visíveis, como unhas fracas, queda de cabelo e pele seca.

Crianças, em algumas situações, podem desenvolver o chamado distúrbio de apetite, quando surgem vontades atípicas de alimentação, como comer terra, alimentos crus, pó de café ou mastigar gelo.

Formas de tratamento da anemia

Em muitos casos, os sintomas da anemia são evidentes, mas somente um hemograma completo pode detectar a quantidade de glóbulos vermelhos e hemoglobinas no sangue e diagnosticar a origem da doença com precisão.

Para tratar esse problema, nas situações mais comuns, como a ferropriva, uma dieta rica em nutrientes e ferro proveniente de alimentos de origem animal e vegetal, como carnes vermelhas, fígado, miúdos, peixes, feijão e verduras escuras, pode contornar o déficit de hemácias no sangue e aumentar a sua produção rapidamente.

Suplementos alimentares específicos para repor a vitamina C (ácido ascórbico), que está presente em maior quantidade em frutas cítricas, como limão, laranja, acerola e abacaxi, também contribuem para a absorção de ferro pelo organismo. Já o leite materno é considerado um protetor natural contra anemia em bebês nos primeiros meses de vida.

Em contrapartida, bebidas escuras, como café, mate, chá preto e refrigerantes de cola, além de cereais integrais, leite e outros laticínios, podem diminuir a assimilação do ferro pelo organismo e, portanto, devem ser evitadas.

Em casos mais graves ou específicos, como doenças autoimunes e hereditárias, procure o seu médico para indicar a terapia medicamentosa mais adequada, a duração do tratamento e a dosagem diária. Em hipótese nenhuma aposte na automedicação para curar esse distúrbio. Apesar de bastante frequente, essa prática é muito perigosa e não recomendada.

Comum em todo o mundo, a anemia afeta milhões de pessoas por ano, principalmente mulheres, que têm maior predisposição ao problema, sobretudo em idade fértil, durante o parto e no período de pré-menopausa.

Por ser assintomática nos estágios iniciais, na maioria das vezes a doença é identificada tardiamente, quando os sintomas estão mais evidentes e frequentes. Contudo, quando diagnosticada, a anemia pode ser facilmente revertida com algumas mudanças de hábitos alimentares, sem a necessidade de medicamentos.

Caso desconfie do surgimento da anemia, procure seu médico com a maior brevidade possível para impedir o avanço da doença e o agravo dos sintomas.

Então, gostou do nosso post? Tem alguma dúvida ou quer contar sua experiência? Deixe um comentário!

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

5 Comentários

  1. Artur Silva

    O Blog está muito bonito. parabéns. Tema Épico é tudo de bom. Poderiam fazer uma matéria sobre cafés saudáveis.

    Responder
    1. Blog BEM SAUDÁVEL

      Oi Artur, tudo bem?

      Anotamos sua sugestão, vamos enviar para a equipe responsável pela criação de conteúdo.

      Obrigada pela apoio e pela dica 😉

      Abraço!

      Equipe Blog Bem Saudável

      Responder
    1. Blog BEM SAUDÁVEL

      Oi Marco,

      Obrigada pelo elogio. Sua opinião é muito importante para nós! 🙂

      Abraços,

      Equipe Blog Bem Saudável

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *