Ácido fólico: o que é e para que serve

O ácido fólico é um medicamento frequentemente prescrito a grávidas para a prevenção de defeitos neurais nos bebês, mas se engana quem acha que essa é a única função dessa substância tão importante para o funcionamento do organismo humano.

Quer entender mais sobre o que é o ácido fólico, para que ele serve e como o seu uso deve ser feito? É só continuar lendo o post de hoje. Confira!

VEJA TAMBÉM NOSSOS EBOOKS:
Check-list: o que fazer antes de começar uma atividade física?
Guia completo para emagrecer com saúde
Guia das vitaminas e minerais
Guia prático sobre vacinação
Guia prático para ter uma gravidez tranquila e saudável 

O que é ácido fólico?

Ácido fólico é um dos nomes dados à vitamina B9, uma das vitaminas do complexo B. Ele ajuda o organismo a quebrar, absorver e criar novas proteínas no corpo.

Qual é a diferença entre ácido fólico, folato e vitamina B9?

A vitamina B9 e o folato são a mesma substância e estão presentes em frutas, vegetais, castanhas e diversos outros alimentos. Já o ácido fólico é a versão sintética da vitamina B9, criada em laboratório, disponibilizada na forma de medicamento e adicionada como suplemento em alguns alimentos, como a farinha de trigo.

Na prática, no entanto, todas essas substâncias agem da mesma forma dentro do organismo humano e cumprem as mesmas funções.

Quais são os benefícios do ácido fólico?

  • Auxilia na reprodução celular, protegendo o material genético;
  • reduz o risco do mal de Alzheimer;
  • trata a anemia megaloblástica;
  • ajuda a manter os espermatozoides saudáveis;
  • auxilia a evitar doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral;
  • atua no controle da hipertensão;
  • reduz a queda de cabelo;
  • fortalece as unhas;
  • promove um desenvolvimento neural adequado no feto.

O que acontece quando há uma deficiência de ácido fólico?

Quando o organismo humano apresenta um quadro de hipovitaminose de B9, pode apresentar sintomas em todas as partes do corpo, incluindo:

  • anemia;
  • cansaço e fraqueza;
  • problemas de crescimento;
  • insônia;
  • memória fraca e esquecimentos frequentes;
  • dores de cabeça;
  • distúrbios digestivos;
  • gengivite;
  • inflamação da língua;
  • falta de ar;
  • irritabilidade;
  • perda de apetite.

Quem costuma sofrer com a deficiência de ácido fólico?

As deficiências de ácido fólico não são tão raras e afetam frequentemente alcoólatras e indivíduos com doença celíaca ou doenças inflamatórias intestinais (doença de Crohn e retocolite ulcerativa).

Indivíduos que sofrem de desnutrição, usam medicamentos antiepilépticos ou metotrexato também apresentam um risco maior de desenvolverem deficiência de ácido fólico.

E quando essa deficiência ocorre durante a gravidez?

Como o ácido fólico é essencial para a replicação celular, o feto é especialmente sensível à deficiência dessa vitamina e pode ter o seu desenvolvimento prejudicado devido a isso. O mais comum é que ocorram os chamados defeitos no fechamento do tubo neural.

O tubo neural é responsável pela formação do cérebro, da medula espinhal e da coluna vertebral. Quando há um defeito na sua formação e no seu fechamento, por volta da 4ª semana de gravidez, o bebê pode apresentar doenças como espinha bífida, meningocele, mielomeningocele, anencefalia e encefalocele.

Em casos leves, essas doenças trazem alterações estéticas e requerem a realização de cirurgias mas, em situações mais graves, prejudicam o desenvolvimento cognitivo e motor da criança. 

Como obter mais ácido fólico?

Por ser uma vitamina solúvel em água, o ácido fólico não consegue ser armazenado nas nossas células para uso posterior e, por isso, deve ser consumido regularmente para suprir a necessidade biológica do metabolismo humano de ácido fólico.

Para isso, o indivíduo deve ter uma dieta diversificada e saudável, rica em alimentos com folato, e/ou usar suplementos vitamínicos.

Quais alimentos são ricos em folato?

  • Espinafre e outras verduras de folha escura;
  • aspargo;
  • feijão;
  • grãos de soja;
  • beterrabas;
  • couve-de-bruxelas;
  • tubérculos;
  • cereais integrais;
  • fígado;
  • salmão;
  • suco de laranja;
  • leite;
  • abacate;
  • trigo e outros cereais fortificados com ácido fólico.

Como as gestantes podem garantir um bom suprimento de ácido fólico?

Como o fechamento do tubo neural ocorre bem no início da gravidez, em uma fase em que muitas mulheres ainda nem descobriram que estão grávidas, o ideal é que a pessoa se preocupe em aumentar seu suprimento de ácido fólico a partir do momento em que decide tentar engravidar, diversificando a dieta e iniciando o uso de suplementos de ácido fólico mesmo quando ela é saudável e não tem fatores de risco para a deficiência dessa vitamina.

Dessa forma, o comprimido de ácido fólico deve ser iniciado pelo menos 90 dias antes da concepção e mantido até a 12ª semana de gestação em todas as mulheres, cobrindo o período de desenvolvimento do sistema nervoso central do feto durante o primeiro trimestre.

Qual é a dosagem de ácido fólico recomendada para gestantes?

Normalmente, o ácido fólico é prescrito já na consulta pré-concepcional, em uma dose de 400 a 600mcg por dia. Contudo, em algumas mulheres com fatores de risco para malformações fetais durante a gravidez, essa dose deve ser 10 vezes maior, de 4 a 5mg.

      Os fatores de risco são:

  • mãe ou pai do bebê com algum defeito de fechamento do tubo neural;
  • história familiar positiva para defeitos de fechamento do tubo neural;
  • história de filhos prévios com defeitos de fechamento do tubo neural;
  • gestantes em uso de medicações para epilepsia, diabetes tipo 2, artrite reumatoide ou lúpus;
  • gestantes em hemodiálise por conta de insuficiência renal;
  • gestantes com doenças intestinais que prejudicam a absorção de ácido fólico.

Ácido fólico em excesso faz mal?

Em doses muito altas e em pessoas mais sensíveis, o ácido fólico pode provocar alguns efeitos colaterais:

  • distúrbios do sono;
  • reações cutâneas;
  • confusão mental;              
  • perda de apetite;
  • náusea;
  • convulsões;
  • problemas estomacais.

Para evitar esses problemas, o mais indicado é que o uso de ácido fólico seja feito apenas sob prescrição e acompanhamento médico, mesmo quando essa medicação estiver disponível para a compra sem receita.

Outro detalhe importante, é que esses efeitos colaterais podem surgir quando há um desequilíbrio de vitaminas no organismo, com excesso de vitamina B9 e deficiência de outras vitaminas do complexo B. Por isso, o uso de ácido fólico deve ser sempre acompanhado de uma dieta equilibrada ou mesmo da utilização de outros suplementos vitamínicos. 

Agora que você já sabe como o ácido fólico é importante durante a gravidez e quais são os alimentos ricos nessa vitamina, que tal descobrir mais sobre como manter uma dieta saudável durante a gestação?

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *