6 benefícios dos exercícios físicos para idosos

O envelhecimento traz uma série de problemas de saúde — que vão, desde uma maior propensão a doenças infecciosas, até a imobilidade devido a problemas de coluna e fraqueza muscular. Por isso, exercícios físicos para idosos são recomendados tanto para manter a vida saudável quanto para controlar e prevenir as doenças da terceira idade. 

Manter uma dieta saudável e associá-la à prática de exercícios físicos é uma recomendação que deve ser reforçada a fim de evitar problemas clínicos e medicamentosos nessa população. Além disso, dependendo da modalidade desse tipo de ação, essa prática esportiva se tornará um ótimo momento para conviver e compartilhar alegrias e tristezas com pessoas da mesma idade.

Quer saber quais são os benefícios dos exercícios físicos para os idosos? Então acompanhe nosso post de hoje e saiba mais!

VEJA TAMBÉM NOSSOS EBOOKS GRATUITOS:
Check-list: o que fazer antes de começar uma atividade física?
Guia completo para emagrecer com saúde
Guia das vitaminas e minerais
Guia prático sobre vacinação
Guia prático para ter uma gravidez tranquila e saudável 

1. Melhoram o condicionamento físico

O exercício é um dos principais fatores na melhoria do condicionamento físico, pois aprimora as funções fisiológicas. Ao se exercitarem, os idosos garantem maior oxigenação e vascularização para todos os músculos.

Os benefícios são:

  • músculos mais nutridos;
  • aumento da força mecânica;
  • diminuição da ocorrência da estase venosa — situação em que o sangue fica mais “viscoso” e com dificuldade para transitar pelos vasos sanguíneos.

Dessa maneira, os idosos se sentem mais dispostos e conseguem praticar atividades que antes não eram possíveis devido à fraqueza muscular. Exemplo disso é a maior participação em excursões e atividades de lazer.

2. Garantem o equilíbrio postural

Ao fortalecer os músculos, os idosos conquistam um melhor realinhamento postural que previne as chamadas “quedas de pressão”. A busca pelo equilíbrio postural diminui, ainda, dores musculares, distensões e previne o aparecimento de problemas na coluna.

Os idosos que praticam exercícios físicos rotineiramente terão também menos problemas de coordenação motora e serão mais independentes se comparados aos sedentários. O equilíbrio postural pode ser otimizado com atividades anaeróbicas, como pilates e yoga.

Além disso, com o avançar da idade, a tendência é que apareçam problemas na coluna, típicos de quem não tomou os cuidados básicos na juventude. Com a idade, a dificuldade em permanecer com a coluna ereta aumenta — e isso causa desconforto em longo prazo. Portanto, o realinhamento postural pode ser um grande aliado contra essas dores.

3. Auxiliam os processos mentais

A perda gradativa de neurônios, que afeta várias funções mentais, é comum durante o envelhecimento. As falhas de memória, as dificuldades de concentração e o “cansaço mental” são habituais.

Ainda que a literatura científica tenha divergências em relação aos benefícios dos exercícios físicos para idosos, o que se sabe é que a prática, independentemente da idade, promove uma reorganização da estrutura cerebral, melhorando processos que antes estavam debilitados.

Em pesquisas, as funções motora e da memória apresentaram resultados animadores. Isso significa que os participantes pesquisados conseguem desenvolver a coordenação motora fina e se lembrar de eventos ocorridos há muito tempo.

4. Diminuem os transtornos psiquiátricos

O aparecimento de transtornos psiquiátricos é frequente a partir da sexta década de vida. Isso se dá devido às novas condições do indivíduo:

  • viuvez;
  • aposentadoria;
  • síndrome do ninho vazio;
  • limitações físicas decorrentes do envelhecimento.

Os exercícios aeróbicos (caminhada, hidroginástica, futebol, natação etc.) e os anaeróbicos (pilates, yoga, RPG etc.) podem influenciar positivamente, dificultando o aparecimento das doenças psiquiátricas. Isso porque o simples fato de frequentar ambientes sociais com pessoas da mesma idade já melhora o humor dos idosos.

5. Mantêm a independência

A independência é um dos fatores que mais influenciam a qualidade de vida do paciente idoso. A prática de exercícios físicos tende a aumentar a autonomia, promovendo o ganho de massa muscular e aumentando a resistência física.

Os fatores que medem a independência na vida cotidiana levam em conta o tipo de atividade executada em um período de 24 horas. Entre elas, enquadram-se práticas rotineiras, como a escovação dentária ou — até mesmo — procedimentos mais elaborados, como fazer a própria comida.

Idosos sedentários não exercitam os músculos, que acabam enfraquecendo, podendo, na pior das hipóteses, ocorrer atrofia — ou seja: a perda completa da capacidade de contração e relaxamento muscular.

6. Melhoram a qualidade de vida

A qualidade de vida é entendida como a percepção do indivíduo frente às situações do seu cotidiano. Nesse sentido, ela pode ser:

  • positiva: quando as pessoas vivem bem e agradecidas pelo que têm;
  • negativa: quando os indivíduos ficam amargurados e infelizes com o que não conseguem possuir.

Os acontecimentos que permeiam a terceira idade podem servir de pano de fundo para alterações na qualidade de vida. Situações de luto, tristeza e incapacidade física tendem a piorar essa percepção, enquanto os momentos de alegria e a prática de exercícios físicos são responsáveis por aumentá-la.

Isso acontece porque, durante o exercício físico, ocorre a liberação de neurotransmissores que causam as sensações de prazer e bem-estar, que serão sentidas naqueles pacientes que se adaptaram às atividades clínicas propostas.

Visando sempre a qualidade de vida como meta de saúde, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) criou o projeto Idoso Bem Cuidado. Trata-se de uma iniciativa para garantir a integralidade da assistência clínica à população usuária dos planos privados de saúde e melhorar os indicadores de saúde.

O projeto é composto por 5 níveis que cuidam do idoso conforme as necessidades clínicas apresentadas. Nesse sentido, são apresentadas as seguintes modalidades:

  • acolhimento;
  • núcleo integrado do idoso;
  • ambulatório geriátrico;
  • cuidados complexos de curta duração;
  • cuidados de longa duração.

Por isso, é fundamental aliar os exercícios físicos para idosos às orientações médicas e de outros profissionais de saúde. Uma equipe composta por diversos especialistas poderá entender todos os problemas que o paciente apresenta e sugerir as medidas mais adequadas ao caso.

E você, já está se exercitando? Procura informações de saúde de forma simples e objetiva? Então, curta nossa página no Facebook e acompanhe nossas postagens!

Powered by Rock Convert

Sobre Blog BEM SAUDÁVEL

Este blog é uma iniciativa da Unimed Belém e, o seu conteúdo, é voltado para orientar e inspirar pessoas que buscam uma vida mais saudável, feliz e equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *